sicnot

Perfil

País

Cristas admite apoiar candidato independente à Câmara de Lisboa

A líder do CDS, Assunção Cristas, admitiu apoiar um candidato independente à Câmara de Lisboa nas eleições autárquicas de 2017, afirmando ver "com mais dificuldade" alguém do PSD a encabeçar a lista.

Em entrevista publicada hoje no jornal i e cerca de um mês depois de substituir Paulo Portas, Assunção Cristas adiantou que o candidato à Câmara de Lisboa "pode ser uma pessoa do CDS", mas também "pode ser um independente".

Questionada sobre se vai ser candidata à Câmara de Lisboa, Assunção Cristas respondeu que no partido há pessoas "que cumprem o perfil" que traçou no congresso "para uma candidatura forte e mobilizadora".

A líder popular disse também que "veria com mais dificuldade" uma candidatura a Lisboa encabeçada por uma pessoa do PSD.

"O que eu acho desejável para o CDS, que vai ter nas eleições autárquicas um primeiro momento importante, é disputar essas eleições com ambição. Temos de trabalhar para ter peso autárquico. Lisboa é relevante, mas também são outras terras e não é por acaso que o nosso conselho nacional vai ser na Meda, onde a câmara é governada pelo PS, mas em que o CDS tem o mesmo número de vereadores e por pouco não ganhou", declarou.

Na entrevista, Assunção Cristas disse também que "um partido com ambição de crescer tem de ter ambição de ter um primeiro-ministro".

A líder do CDS sublinhou também que não sente que Nuno Melo seja uma espécie de plano B para muitos militantes se a sua liderança correr mal.

"Genuinamente, as pessoas estão satisfeitas, mesmo quem tinha e tem essa ligação com Nuno Melo. Sentem que esta liderança está para somar, não para dividir, para permitir ao partido crescer, potenciando a diversidade dos seus militantes", salientou.

Sobre a relação entre o CDS e o PSD, Assunção Cristas disse que "os dois partidos têm o desafio de crescer", salientando que os resultados foram melhores quando os partidos concorreram separadamente".

"Com quem nos vemos a governar é com o PSD, não é certamente com um PS que prefere olhar para as esquerdas", indicou.

Questionada sobre o convite do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a Mario Draghi para fazer um discurso aos seus conselheiros, a líder do CDS disse achar "estranho e novo".

"A possibilidade de conselheiros de Estado poderem ouvir e questionar e obter respostas do presidente do BCE isso é positivo. Há outra coisa que fica clara com esta iniciativa do PR: o sistema banqueiro em Portugal é muito mais supervisionado pelo BCE do que alguma vez foi", disse.

Assunção Cristas considerou ainda que "não achou ideal" a participação de Draghi na primeira reunião do Conselho de Estado.

"Mas o senhor Presidente deve ter entendido que o sistema financeiro está de tal forma mal que trouxe cá Draghi, que antes do Conselho de Estado esteve num almoço em que essas coisas terão sido discutidas", concluiu.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.