sicnot

Perfil

País

Novos manuais escolares vão estar ligados ao telemóvel

Os alunos vão poder optar por uma solução que aplica aos manuais escolares a tecnologia da realidade aumentada, associando os livros ao telemóvel, anunciou hoje a Porto Editora.

A editora desenvolveu uma aplicação gratuita, para Android, IOS e, em breve, para Windows, que, uma vez instalada no telemóvel, vai reconhecer o manual escolar através da capa e permitir a consulta de conteúdos multimédia em contexto, ou seja, à medida que o aluno vai evoluindo na exploração do livro, explica uma informação da empresa.

Esses conteúdos estão sinalizados no manual, bastando apontar o telemóvel para as páginas que estão assinaladas com o ícone da aplicação.

Os primeiros manuais híbridos correspondem aos novos livros escolares que vão entrar em vigor no próximo ano letivo: Inglês do 4.º ano de escolaridade, Português, Matemática, Ciências Naturais, História e Geografia de Portugal e Educação Musical do 5.º ano, Física e Química A, Matemática A, Matemática B, Matemática Aplicada às Ciências Sociais e Português dos cursos científico-humanísticos do 11.º ano de escolaridade.

Estes novos manuais vão chegar às livrarias no próximo verão, garante a Porto Editora, "não tendo qualquer alteração de preço ou custo adicional", devendo o conceito dos manuais híbridos ser alargado aos outros anos de escolaridade à medida que forem entrando em vigor os novos manuais escolares.

O novo conceito foi desenvolvido ao longo de ano e meio e envolveu dezenas de profissionais da divisão editorial escolar e dos departamentos multimédia e de investigação.

"Na procura de promover a autonomia das aprendizagens, a tendência é a personalização dos recursos educativos e é esse caminho que estamos a seguir, e quando o aluno está a estudar em casa, queremos que ele tenho recursos coerentes, diversificados e complementares, que lhe facilitem as aprendizagens e que possam também promover o acompanhamento dos pais e encarregados de educação, no caso dos mais jovens", explica na nota Vasco Teixeira, administrador e diretor editorial.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.