sicnot

Perfil

País

15 M€ para construção e remodelação de centros de saúde

O Governo autorizou a construção ou remodelação de vários centros de saúde nos distritos de Lisboa, Leiria, Setúbal e Santarém, cujas obras ascendem a mais de 15 milhões de euros.

Arquivo SIC

Arquivo SIC

De acordo com os despachos publicados hoje em Diário da República e assinados em conjunto pelos secretários de Estado do Orçamento, da Saúde e das Autarquias Locais, Sintra é o concelho para onde está previsto o maior investimento, no valor de cerca de 3,7 milhões de euros.

Está prevista a construção de uma nova unidade de saúde para a freguesia de Algueirão-Mem Martins (dois milhões de euros), de outra para servir as freguesias de Agualva-Mira Sintra (948 mil euros) e de uma outra Queluz-Belas (748 mil euros).

Segue-se Oeiras, com um investimento estimado em 2,4 milhões de euros, repartidos pela construção de um centro de saúde para a freguesia de Barcarena (um milhão de euros) e de outro para Carnaxide (1,4 milhões de euros).

Para Mafra, estão previstos 1,8 milhões de euros, dos quais um milhão é para a construção do Centro de Saúde de Mafra e 831 mil euros para a construção de novas instalações para a extensão de saúde de Malveira e São Miguel de Alcainça, que serve também a população da Venda do Pinheiro e Milharado.

O Governo autorizou verbas também para a construção de novas unidades de saúde para Buraca/Águas Livres (781 mil euros) e para Venteira (781 mil euros), no concelho da Amadora.

No distrito de Lisboa, estão ainda previstas verbas para a construção de novas instalações para os centros de saúde de Odivelas (1,1 milhões de euros), Cadaval (676 mil euros) e para a remodelação das extensões de saúde de A-dos-Cunhados (193 mil euros) e da Silveira (195 mil euros), no concelho de Torres Vedras.

No distrito de Setúbal, o Governo deu luz verde à construção de novas extensões de saúde para Pinhal Novo (1,1 milhões de euros), no concelho de Palmela, e para Santiago, freguesia de Sesimbra.

No distrito de Leiria, o Governo deu luz verde para a construção do centro de saúde da Nazaré (1,2 milhões de euros). Já no distrito de Santarém, foram autorizadas obras de melhoria e adaptação da extensão de saúde de Caxarias, no concelho de Ourém.

O Governo reconhece que as atuais instalações onde funcionam estas unidades já não se adequam às necessidades da população e que é "absolutamente necessário" serem substituídas.

Através dos despachos, o Governo não só autoriza as verbas, como também celebra contratos-programa com os respetivos municípios, no sentido de transferir para eles os montantes financeiros e serem os municípios a lançar os concursos e as obras respetivas.

FYC // JLG

Lusa/Fim

NewsSubjects:- Sociedade - Serviço Nacional de Saúde - Governo (sistema) - Autoridades locais - obras públicas

20160420T155007

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42