sicnot

Perfil

País

Motociclista viaja do Algarve ao Nepal para apoiar vítimas do terramoto de 2015

Um motociclista português vai iniciar a 25 de abril uma viagem de mais de 11.000 quilómetros, entre o Algarve e Katmandu, para recolher apoios para ajudar as vítimas do terramoto que destruiu a capital nepalesa, em 2015.

facebook/ExpedicaoNepal

A moto de 125 centímetros cúbicos deverá arrancar do centro comercial Fórum Algarve, em Faro, pelas 12:00, e prevê-se que a "Expedição Nepal" chegue a Katmandu 45 dias depois, a 10 de junho, Dia de Portugal.

"Vou sozinho, esperando levar muita gente atrás. Ou seja, que as pessoas acompanhem a viagem através da página de facebook "Expedição Nepal", em que irão sendo relatados os acontecimentos e as notícias daquilo que irá acontecendo", explicou hoje à agência Lusa Artur Brito, 54 anos.

A ideia surgiu quando o amante de motos estava na internet e se deparou com o trabalho humanitário da Associação Obrigado Portugal e dos jovens Pedro Queirós e Lourenço Macedo, que se mantiveram no Nepal a apoiar pessoas afetadas pelo terramoto.

Artur Brito conta que ficou sensibilizado com o trabalho desenvolvido, sobretudo depois de tomar conhecimento do projeto "Our Dream Village", ainda em curso e que visa a construção de cerca de 220 casas para os mais atingidos pelo terramoto de 12 de maio de 2015.

"Pus-me em campo, apresentei a ideia à associação e eles ficaram entusiasmados. A partir daí, foi criar uma equipa que me pudesse ajudar e ir à procura dos apoios para viabilizar a viagem", explicou o motociclista, que perdeu a perna esquerda num acidente de moto, há 25 anos.

Um dos apoios à "Expedição Nepal" veio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), que Artur Brito bem conhece, já que foi acolhido na instituição aos seis meses e ali esteve até aos quatro anos, idade em que foi adotado.

"Pelo acentuado caráter solidário e simbólico desta iniciativa, a SCML entra nesta aventura única com Artur Brito, patrocinando a viagem e reforçando os laços com este filho da casa, já que se trata de um exemplo de coragem e de solidariedade, valores espelhados nesta expedição", refere a instituição, em comunicado.

A Associação Obrigado Portugal irá depois canalizar os fundos angariados ao longo da viagem e materiais de construção para o destino -- Campo Esperança, em Katmandu -, "dando continuidade ao trabalho de reconstrução já iniciado e proporcionando o realojamento de várias famílias afetadas pelo terramoto", acrescenta a nota da Misericórdia de Lisboa.

Lusa

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".