sicnot

Perfil

País

Paulo Pereira Cristóvão e mais 12 arguidos acusados de corrupção

O Ministério Público (MP) acusou o antigo vice-presidente do Sporting Paulo Pereira Cristóvão de corrupção ativa, por obtenção de dados sigilosos, nomeadamente de 196 árbitros de futebol, através de funcionários das finanças também arguidos no processo.

(Arquivo)

(Arquivo)

Lusa

Na acusação do MP, concluída este mês e à qual a agência Lusa teve hoje acesso, constam mais 12 arguidos: três advogados, um engenheiro, dois técnicos oficiais de contas, um comercial, um gráfico e uma colaboradora de um banco que, no âmbito das respetivas funções, obtinham, através dos mesmos três funcionários de uma repartição de finanças de Lisboa, elementos pessoais, patrimoniais, bancários e fiscais, a troco de dinheiro.

Quanto a Pereira Cristóvão, o MP indica que, em 2011, além de dirigente desportivo, era sócio-gerente da Primuslex -- criada em 2006 - e geria a RightExpert Unipessoal -- constituída em 2011 por um funcionário da Primuslex a mando de Pereira Cristóvão -, sociedades que se dedicavam à assessoria e consultoria empresarial, comercial e na área da segurança.

Em 2008, Pereira Cristóvão conheceu Carlos Silva, que foi inspetor tributário até 2010, ano em que se aposentou. Segundo o MP, este arguido acedeu à base de dados da Autoridade Tributária (AT) e forneceu elementos "de natureza pessoal/familiar, patrimonial e bancária de várias pessoas visadas" na atividade de Pereira Cristóvão, "a troco de remuneração".

Após a aposentação, o inspetor tributário passou a pedir à arguida Virgínia Freitas, sua companheira e técnica administrativa tributária na mesma repartição de finanças, para "que procedesse às pesquisas" para obtenção das informações solicitadas por Pereira Cristóvão.

O MP explica que, "para a efetivação desta troca de favores", sempre que Pereira Cristóvão precisava de dados de contribuintes, pedia a um dos seus funcionários para se encontrar com Carlos Silva e entregar um envelope com os nomes a pesquisar.

"Estes encontros ocorreram pelo menos em oito situações distintas", entre junho e novembro de 2011, refere a acusação, que revela contrapartidas entre os 200 e os 575 euros.

Pereira Cristóvão foi vice-presidente do Sporting entre março de 2011 e junho de 2012.

Uma das situações descritas teve início a 06 de junho de 2011, quando o então vice-presidente do Sporting solicitou a um colaborador do clube que lhe enviasse a listagem dos árbitros, árbitros assistentes e observadores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

Nesse dia, o então vice-presidente do Conselho Diretivo do Sporting pediu à sua secretária "que criasse dois ficheiros Excel" com a lista anteriormente enviada, o que a funcionária realizou no computador que lhe estava distribuído para exercício de funções no Sporting.

Na posse dos dois ficheiros, a 14 de julho e a 10 de agosto, Pereira Cristóvão ordenou à secretária da Primuslex que pedisse a um dos funcionários da sociedade para entregar aquelas listas Excel ao arguido Carlos Silva.

"Em 14 de julho e 10 de agosto de 2011, o arguido Carlos Silva solicitou, via 'email', à arguida Virgínia Freitas, a pesquisa de todas as informações disponíveis na AT sobre os indivíduos identificados nas listas, num total de 196 árbitros de futebol, nomeadamente o número de identificação fiscal, número de identificação bancária, rendimentos, titularidade de bens móveis e imóveis e identificação do cônjuge, o que veio a acontecer", sustenta o MP.

A arguida "entregou o resultado das pesquisas (contendo dados de 182 árbitros) ao arguido Carlos Silva" que as levou ao funcionário da Primuslex, e este até Pereira Cristóvão.

Fonte ligada à defesa de Pereira Cristóvão disse hoje à Lusa que, numa avaliação preliminar, esta nova acusação relata factos que já estão a ser julgados no chamado 'caso Cardinal' -- cujo acórdão está marcado para sexta-feira -, razão pela qual pondera requerer a abertura de instrução do processo.

Lusa

  • Pereira Cristóvão começa a ser julgado em junho

    País

    O antigo inspetor da Polícia Judiciária Paulo Pereira Cristóvão e outros 17 arguidos começam a ser julgados em junho, num processo relacionado com assaltos violentos a residências, na zona de Lisboa e na margem sul do rio Tejo.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.