sicnot

Perfil

País

Meditação para combater distúrbios alimentares

A Universidade de Coimbra (UC) está a desenvolver um programa sobre as dificuldades relacionadas com o controlo do comportamento alimentar e com a imagem corporal, através de treino de meditação na regulação desse comportamento.

© Enrique Castro-Mendivil / Reu

O estudo, que surge na sequência do BEfree, programa de intervenção em grupo para dificuldades do comportamento alimentar, propõe, através de "uma abordagem inovadora", novas formas de lidar com a alimentação, com o corpo e com as emoções.

Uma equipa de investigadores do Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINECC) da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da UC está a desenvolver um programa "focado no comportamento alimentar e regulação emocional", anunciou hoje a UC.

Denominado CARE, o programa tem a duração de três semanas e é para realizar em casa, através do suporte de materiais fornecidos pelos investigadores envolvidos no projeto.

Trata-se de "uma abordagem inovadora na qual as participantes vão contactar com práticas de meditação focadas na gestão equilibrada da alimentação e peso, na libertação de estados emocionais negativos e na promoção de bem-estar", refere a UC, numa nota hoje divulgada.

O CARE visa ajudar quem experiencia "estas dificuldades a desenvolver novas formas de lidar com a sua alimentação, com o seu corpo e com as suas emoções, com vista a uma melhoria do seu bem-estar e a uma relação mais compassiva e equilibrada com elas mesmas", explica a investigadora Cristiana Duarte.

Aberto a participantes do sexo feminino, com idades compreendidas entre 18 e 55 anos, as candidaturas ao programa podem ser feitas através de estudocare@gmail.com.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24