sicnot

Perfil

País

PSD não leva a votos Programas de Estabilidade e de Reformas

O PSD não irá levar a votos os projetos de resolução que apresentou sobre o Programa Nacional de Reformas, porque este documento e o Programa de Estabilidade têm o "apoio inequívoco" do PS, PCP, BE e PEV.

MANUEL DE ALMEIDA

"Hoje não há dúvida nenhuma que o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas que o Governo vai endereçar à Assembleia da República tem o apoio inequívoco do PS, do PCP, do BE e do PEV, que são os partidos que sustentam politicamente o Governo no parlamento", afirmou o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, no final da reunião da bancada social-democrata.

Por isso, sublinhou, "não havendo dúvidas do apoio político do Governo por parte do parlamento" a votação não é determinante, já que socialistas, bloquistas, comunistas e partido ecologista Os Verdes têm a maioria dos deputados.

"Este é o plano do doutor António Costa, da deputada Catarina Martins, do deputado Jerónimo de Sousa e também da deputada Heloísa Apolónia", frisou o líder da bancada do PSD, insistindo que o apoio que o Governo tem no parlamento "não oferece dúvidas".

Luís Montenegro reiterou ainda que o PSD encara o debate com "toda a seriedade e toda a responsabilidade", lembrando que na quarta-feira - dia em que será discutidos em plenário os Programa de Estabilidade e de Reformas - também estarão em discussão os sete projetos de resolução entregues pelos sociais-democratas.

Dos sete diplomas, precisou, constam 222 "medidas concretas" em todas as áreas que foram consideradas eixos prioritários no Programa Nacional de Reformas.

"O nosso contributo é positivo, é construtivo para o Governo", declarou, admitindo, contudo, não ter existido nenhuma conversa com o grupo parlamentar do PS sobre os diplomas apresentados pelos sociais-democratas.

O Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas foram aprovados hoje no Conselho de Ministros e serão debatidos no plenário da Assembleia da República na quarta-feira.

Até agora o CDS-PP foi o único partido a anunciar que pretende levar os projetos de resolução que entregou sobre o Programa Nacional de Reformas a votos.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.