sicnot

Perfil

País

Reclusos vão poder tirar cursos superiores à distância em segurança

Os Serviços Prisionais e a Universidade Aberta assinaram hoje um protocolo de cooperação que permite, a todos os reclusos de Portugal, fazerem um curso superior em regime de 'e-learning' (ensino à distância), em segurança e sem violar a lei.

Os reclusos em estabelecimentos prisionais em Portugal, que queiram realizar uma licenciatura, mestrado, doutoramento ou uma formação em regime de 'e-learning' podem agora fazê-lo através da Universidade Aberta, disse hoje o responsável da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), Celso Manata, no Estabelecimento Prisional do Porto, durante a cerimónia de assinatura do protocolo com a Universidade Aberta.

O objetivo do protocolo, que é o culminar de uma cooperação com a Universidade Aberta que vem desde 1998, com a criação de um 'campus virtual', é alargar o número de reclusos a estudar em regime de 'e-learning', para uma mais fácil reinserção social, defendeu Celso Manata, recordando que o ensino é um direito fundamental previsto na lei portuguesa e também um "instrumento para a inserção social, que ajuda a mudar de atitude".

"Há atualmente em Portugal 65 estudantes reclusos inscritos em cursos de Ensino Superior", informou o responsável pela DGRSP, acrescentando que uma grande cota desses alunos reclusos, cerca de 50%, está em estabelecimentos prisionais do Porto e na Universidade Aberta, nos cursos de Gestão e Ciências Sociais.

"Trata-se de um projeto que permite, com segurança, o acesso a conteúdos específicos, para o desenvolvimento de atividades de ensino e formação, em 'e-learning', criando soluções 'offline', que permitam aos estudantes reclusos gerir os conteúdos, aceder à sala de aula virtual ou aos vídeos dos docentes, mas de forma segura, sem infringir a lei, que não permite acesso direto à Internet aos presos, explicou António Moreira, da Universidade Aberta.

"Acreditamos que o projeto vai incentivar os reclusos à formação. (...) É um projeto com soluções pedagógicas inclusivas e com flexibilidade", declarou António Moreira, referindo que é uma responsabilidade social procurar condições de acesso igual a todos, contribuindo para a inclusão social.

Pedro Gomes é um recluso e estudante do Estabelecimento Prisional do Porto e finalista da Universidade Aberta, em Ciências Sociais, que admite que este protocolo "é um grande passo para melhorar as situações de estudo nas prisões", porque, confessa, "a luta não tem sido fácil", "foi um caminhar na escuridão".

Assumiu, convicto, no entanto, que a reclusão "pode ser um momento para criar um futuro melhor".

A secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso, que presidiu à cerimónia de assinatura daquele protocolo, afirmou que a iniciativa é um "momento simbólico" e "importante" e defendeu que, assegurar a educação para "ressocializar, é algo que o Governo pretende levar a sério".

A cerimónia de assinatura do protocolo, entre a DGRSP e a Universidade Aberta, decorreu na Biblioteca do Estabelecimento Prisional do Porto.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.