sicnot

Perfil

País

Polícia angolana investiga a morte de português em Luanda

Polícia angolana investiga a morte de português em Luanda

A policia angolana está a investigar a morte de um cidadão português que terá sido assassinado durante um assalto à residência. A morte terá ocorrido na noite de terça para quarta-feira, quando cinco homens assaltaram o apartamento onde vivia António Guerra, de 56 anos. À SIC, um dos filhos revelou que a morte foi violenta e conta que, apesar de ter contactado o governo português, ainda não obteve resposta.

Em declarações à agência Lusa, o inspetor-chefe Mateus Rodrigues disse que a polícia está ainda a investigar as circunstâncias em que terá ocorrido o crime. "Estamos a investigar e tão logo tenhamos mais informações viremos a público informar", referiu.

Contactada pela Lusa, fonte consular da embaixada portuguesa em Angola informou que a morte terá ocorrido na noite de terça para quarta-feira, quando cinco homens assaltaram o apartamento onde vivia António Guerra, de 56 anos, no bairro dos Pescadores.

António Guerra estava inscrito no consulado desde 2012, era natural de Cascais, casado e com cinco filhos.

O consulado está em contacto com a empresa em que trabalhava, um aviário em Luanda, para a transladação do corpo.

Com Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.