sicnot

Perfil

País

Polícia angolana investiga a morte de português em Luanda

Polícia angolana investiga a morte de português em Luanda

A policia angolana está a investigar a morte de um cidadão português que terá sido assassinado durante um assalto à residência. A morte terá ocorrido na noite de terça para quarta-feira, quando cinco homens assaltaram o apartamento onde vivia António Guerra, de 56 anos. À SIC, um dos filhos revelou que a morte foi violenta e conta que, apesar de ter contactado o governo português, ainda não obteve resposta.

Em declarações à agência Lusa, o inspetor-chefe Mateus Rodrigues disse que a polícia está ainda a investigar as circunstâncias em que terá ocorrido o crime. "Estamos a investigar e tão logo tenhamos mais informações viremos a público informar", referiu.

Contactada pela Lusa, fonte consular da embaixada portuguesa em Angola informou que a morte terá ocorrido na noite de terça para quarta-feira, quando cinco homens assaltaram o apartamento onde vivia António Guerra, de 56 anos, no bairro dos Pescadores.

António Guerra estava inscrito no consulado desde 2012, era natural de Cascais, casado e com cinco filhos.

O consulado está em contacto com a empresa em que trabalhava, um aviário em Luanda, para a transladação do corpo.

Com Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.