sicnot

Perfil

País

Governo garante pagamento das verbas para refugiados recolocados

O Ministério da Administração Interna (MAI) esclareceu hoje que a União Europeia só transferiu em abril as verbas relativas aos refugiados recolocados e garantiu que nas próximas semanas serão feitos os pagamentos às instituições que os acolhem.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

A informação do MAI surge depois de o Conselho Português para os Refugiados (CPR) ter revelado, na sexta-feira, que só recebeu verbas comunitárias para quatro dos 47 refugiados recolocados que recebeu desde dezembro, acusando o Governo de não estar a tratar o processo com a urgência devida.

Segundo a presidente do CPR, Teresa Tito Morais, o organismo recebeu, até agora, 47 refugiados ao abrigo do programa de recolocação, tendo os primeiros quatro chegado a Portugal em dezembro de 2015 e os restantes distribuídos por fevereiro, março e abril.

Destes 47, o CPR recebeu apenas 50% da verba devida pelas primeiras quatro pessoas, no caso quatro adultos, quantia proveniente de fundos comunitários, mas gerida pela Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna.

Questionado pela agência Lusa, o MAI esclareceu que "a verba transferida pela União Europeia apenas ficou disponível no corrente mês de abril".

A explicação para isso estará no "cumprimento dos trâmites necessários, previstos no sistema de gestão e controlo imposto pela União Europeia, incluindo os requisitos da entidade de Auditoria da Inspeção-geral de Finanças".

De acordo com o MAI, as verbas transferidas em dezembro para o CPR foram suportadas pelo orçamento do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), a título de adiantamento.

Por outro lado, o MAI deixou a garantia de que "nas próximas semanas serão disponibilizados os próximos pagamentos".

"Estão em curso os procedimentos necessários e exigidos pelo sistema de gestão e controlo dos fundos da União Europeia para a efetivação dos pagamentos relativos a todos os refugiados já recolocados", lê-se na informação enviada à agência Lusa.

Segundo o MAI, a União Europeia disponibilizou para pagamento 174 mil euros para apoiar os refugiados recolocados que já se encontram em Portugal e adiantou que as restantes verbas serão libertadas à medida que estejam cumpridos os requisitos exigidos pelo sistema de gestão e controlo de fundos.

Os requisitos definem que as verbas só podem ser transferidas pelo SEF para as instituições que acolhem os refugiados à medida que os estes vão tendo o título de residência provisório. Nessa altura, o SEF transfere 50% do valor devido por cada pessoa, transferindo os restantes 50% nove meses depois.

Isto, porque a verba definida pela União Europeia para pagar as despesas com cada um dos refugiados recolocados provenientes da Grécia e de Itália é de 6 mil euros por adulto e 4 mil euros por criança para um período de 18 meses.

O MAI disse ainda que, desde dezembro, já chegaram a Portugal 195 refugiados ao abrigo do programa de recolocação.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.