sicnot

Perfil

País

Empresário José Veiga investigado em Cabo Verde desde 2015

O procurador-geral da República de Cabo Verde disse hoje que, desde 2015, corre no país uma investigação ao empresário José Veiga por suspeitas de lavagem de capitais, sublinhando tratar-se de um processo autónomo da investigação em Portugal.

"Temos um processo-crime que corre termos em Cabo Verde relativamente à utilização do sistema cabo-verdiano para eventuais crimes de lavagem de capitais, que está aberto desde setembro de 2015", disse Óscar Tavares.

O antigo empresário de futebol, José Veiga, está em prisão preventiva desde fevereiro no âmbito da operação "Rota do Atlântico", que investiga suspeitas de crimes de corrupção, tráfico de influências e participação em negócio, entre outros ilícitos.

Antes de ser detido, José Veiga tinha entregado um pedido de autorização ao banco central de Cabo Verde para a abertura de um banco e, posteriormente, apresentado uma proposta de compra do Banco Internacional de Cabo Verde (BICV), operações que foram chumbadas pela entidade de supervisão bancária cabo-verdiana.

Questionado pelos jornalistas sobre se Portugal pediu colaboração na investigação ao empresário, Óscar Tavares adiantou que a investigação "nada tem a ver com o processo português" e que o Ministério Público cabo-verdiano não recebeu "ainda nenhuma carta rogatória das autoridades portuguesas".

O responsável máximo do Ministério Público em Cabo Verde falava aos jornalistas, na capital cabo-verdiana, à margem de uma ação de formação sobre cooperação judiciária internacional.

Segundo Óscar Tavares, a referida formação, realizada em parceria com o Ministério Público do Brasil, visa dotar os procuradores cabo-verdianos com "um manancial" de informações, conhecimentos e instrumentos "que lhes permita responder num quadro em que a cooperação internacional é estratégica para o combate à criminalidade, sobretudo à criminalidade organizada".

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42