sicnot

Perfil

País

Empresário José Veiga investigado em Cabo Verde desde 2015

O procurador-geral da República de Cabo Verde disse hoje que, desde 2015, corre no país uma investigação ao empresário José Veiga por suspeitas de lavagem de capitais, sublinhando tratar-se de um processo autónomo da investigação em Portugal.

"Temos um processo-crime que corre termos em Cabo Verde relativamente à utilização do sistema cabo-verdiano para eventuais crimes de lavagem de capitais, que está aberto desde setembro de 2015", disse Óscar Tavares.

O antigo empresário de futebol, José Veiga, está em prisão preventiva desde fevereiro no âmbito da operação "Rota do Atlântico", que investiga suspeitas de crimes de corrupção, tráfico de influências e participação em negócio, entre outros ilícitos.

Antes de ser detido, José Veiga tinha entregado um pedido de autorização ao banco central de Cabo Verde para a abertura de um banco e, posteriormente, apresentado uma proposta de compra do Banco Internacional de Cabo Verde (BICV), operações que foram chumbadas pela entidade de supervisão bancária cabo-verdiana.

Questionado pelos jornalistas sobre se Portugal pediu colaboração na investigação ao empresário, Óscar Tavares adiantou que a investigação "nada tem a ver com o processo português" e que o Ministério Público cabo-verdiano não recebeu "ainda nenhuma carta rogatória das autoridades portuguesas".

O responsável máximo do Ministério Público em Cabo Verde falava aos jornalistas, na capital cabo-verdiana, à margem de uma ação de formação sobre cooperação judiciária internacional.

Segundo Óscar Tavares, a referida formação, realizada em parceria com o Ministério Público do Brasil, visa dotar os procuradores cabo-verdianos com "um manancial" de informações, conhecimentos e instrumentos "que lhes permita responder num quadro em que a cooperação internacional é estratégica para o combate à criminalidade, sobretudo à criminalidade organizada".

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.