sicnot

Perfil

País

Presidente vai condecorar Salgueiro Maia com a Ordem do Infante D. Henrique

Presidente vai condecorar Salgueiro Maia com a Ordem do Infante D. Henrique

Marcelo Rebelo de Sousa fez esta tarde o anúncio, em Santarém, onde deixou os maiores elogios ao principal militar do 25 de Abril. A condecoração terá lugar a 1 de julho, quando o capitão de Abril faria 72 anos.

Marcelo Rebelo de Sousa prestou hoje homenagem a Salgueiro Maia na sua "terra adotiva" e de onde, na madrugada de 25 de abril de 1974, partiu da Escola Prática de Cavalaria à frente de uma coluna militar que teve papel fulcral no derrube do regime do Estado Novo.

"Quarenta e dois anos depois, aqui está, em Santarém, na sua terra adotiva, alguém que em 1974, com 25 anos, vibrou com o momento histórico da abertura para a democracia, a homenagear um homem que soube representar a serena coragem de um povo, mas, mais do que isso, está o Presidente da República de Portugal que neste primeiro 25 de abril após ter assumido as suas funções vem dizer que decidiu condecorar Fernando José Salgueiro Maia com a Ordem do Infante D. Henrique", disse.

Marcelo Rebelo de Sousa, muito saudado pelas centenas de pessoas que assistiram à cerimónia realizada no Jardim dos Cravos, onde se encontra a estátua de Salgueiro Maia e a chaimite "Bula" (que transportou Marcelo Caetano), justificou a sua presença sobretudo por querer "agradecer a Salgueiro Maia o ter encabeçado o começo da alvorada democrática e o ter permanecido igual a si próprio até ao fim da vida".

O Presidente realçou o facto de ter sido "grande na humildade, coerente no caráter, fiel ao povo que era e que soube encarnar ao serviço de Portugal".

Segundo a página da Presidência da República, a Ordem do Infante D. Henrique destina-se a distinguir quem houver prestado serviços relevantes a Portugal, no País e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua História e dos seus valores.

A cerimónia foi marcada pelo depoimento da neta de Salgueiro Maia, Daniela, que declarou o "orgulho imenso nos valores que [o avô] deixou, a coragem, a humildade, a solidariedade e a honestidade com que sempre viveu" e agradeceu ao Presidente o ter aceitado participar na cerimónia simples que todos os anos se repete neste local.

Marcelo Rebelo de Sousa destacou o homem "simples, sem ambições de mando ou de glória", que, terminada a missão militar, que foi "sobretudo uma missão cívica", soube "regressar ao quartel para voltar a ser o que era, com a naturalidade de quem não reclama louros nem aspira a celebridade".

Para o Presidente, à sua maneira, Salgueiro Maia "deu expressão a um povo e a uma maneira de ser e de viver ao longo dos séculos" marcada por "uma vontade discreta mas firme de servir Portugal sem alarido nem busca de fama".

"Salgueiro Maia foi há 42 anos o retrato desse povo que é o que Portugal tem de melhor, melhor do que os mais falados, os mais renomados, os mais influentes ou tidos como tal. Melhor dos que os mais poderosos na política ou na economia", declarou.

Lusa

  • O dia da revolução
    3:01

    País

    Há 42 anos, centenas de militares tinham saído dos quartéis por volta da meia-noite, avançaram sobre Lisboa e em poucas horas conquistaram os principais pontos estratégicos da capital.

  • Cabo e furriel estiveram frente a frente em lados opostos no Terreiro do Paço
    3:17

    País

    Há um homem que teve nas mãos a possibilidade de liquidar a revolução, mas recusou. O cabo Alves Costa desobedeceu à ordem de disparar um carro de combate contra a coluna dos revoltosos, no Terreiro do Paço.Salgueiro Maia diria mais tarde que foi nesse instante que se ganhou o 25 de Abril. Na coluna que podia ter sido dizimada pelo cabo Alves Costa, estava o então furriel Manuel Correia da Silva. Esses dois homens que estiveram frente a frente em lados opostos são hoje amigos e falaram connosco para recordar esse momento decisivo.

  • Memórias da ditadura no interior do país
    2:33

    País

    Passaram 42 anos, mas em muitas regiões ainda está bem nítida a memória dos tempos duros. O desafio diário era conseguir colocar comida na mesa, num país que vivia na miséria. Milhares de pessoas eram empurradas para a emigração e para o contrabando nas regiões junto à fronteira.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.