sicnot

Perfil

País

Bolsas de estudo para fixar alunos do superior no interior já foram pagas

As bolsas atribuídas a alunos do ensino superior, que optaram por estudar numa instituição do interior, e que estavam em atraso, já foram pagas, assegurou hoje, no parlamento, o ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior.

(AP/ Arquivo)

Há duas semanas, estudantes e encarregados de educação queixaram-se de atrasos nos pagamentos das bolsas do "Programa + Superior".

"Já conseguimos que as bolsas fossem pagas", disse o ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor.

O ministro está a ser ouvido na comissão parlamentar de Educação e Ciência.

Numa resposta a uma questão levantada pelo CDS-PP sobre os atrasos nos pagamentos, Manuel Heitor invocou que o programa foi criado pelo anterior governo de direita, "sem financiamento".

Atribuídas pela primeira vez no passado ano letivo, as bolsas do "Programa + Superior" foram criadas para ajudar à fixação de estudantes no interior, dando 1.500 euros aos alunos que escolhessem estudar numa das 13 instituições abrangidas pelo programa.

Este ano, foram selecionados 1.020 alunos, que deveriam ter começado a receber, no início do ano letivo, uma verba mensal de 150 euros.

Lusa

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35