sicnot

Perfil

País

Governo estuda possibilidade de "abate e venda" do Kamov acidentado desde 2012

O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, disse hoje que está a ser estudada a possibilidade de "abate e venda" do helicóptero kamov de combate a incêndios florestais, acidentado desde 2012.

Na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, Jorge Gomes adiantou que uma das possibilidades a estudar e trabalhar passa pelo "abate e venda" do helicóptero pesado do Estado, que sofreu um acidente em 2012, durante o combate a um incêndio florestal.

O secretário de Estado adiantou que a reparação deste Kamov "é muita complicada".

Dos seis helicópteros Kamov da frota do Estado, apenas três estão aptos para voar, estando dois inoperacionais e outro acidentado desde 2012.

O secretário de Estado afirmou que os dois Kamov inoperacionais, um desde 2015 e outro desde 2013, estão a ser reparados com o objetivo de integrar o dispositivo de combate a incêndios florestais (DECIF) de 2017.

Sublinhou, no entanto, que, se "o processo de reparação for rápido", ainda podem integrar o DECIF deste ano.

Jorge Gomes esclareceu que, dos três helicópteros Kamov operacionais, um deles está neste momento em processo de manutenção, devendo integrar o dispositivo de combate a incêndios a 15 de maio.

Segundo o secretário de Estado, o DECIF deste ano vai contar com os três helicópteros pesados, num total de 47 meios aéreos.

Aos deputados, Jorge Gomes anunciou ainda que vai ser lançado, em maio, um concurso de cinco milhões de euros com fundos comunitários, destinados a veículos dos bombeiros voluntários, no qual se incluem os carros que arderam no combate aos fogos do ano passado.

O secretário de Estado avançou ainda que, também em maio, vai ser lançado um outro concurso, no valor de sete milhões de euros, para construção e renovação dos quartéis dos bombeiros.

Lusa

  • Daesh transforma drones em bombardeiros 

    Daesh

    As estratégias de combate do Daesh têm vindo a sofrer alterações, bem como a capacidade das forças militares iraquianas para confrontar e derrotar o inimigo. De acordo com o responsável do Exército dos EUA Brett Sylvia, comandante militar no Iraque, a tática mais recente desenvolvida pelo Daesh consiste em usar drones de uso comercial em pequenos bombardeiros, capazes de transportar e lançar granadas.