sicnot

Perfil

País

Homem que matou um cão a tiro condenado por dano agravado

O Tribunal de Idanha-a-Nova condenou hoje o homem que matou um cão em Monsanto, em março de 2015, a 240 dias de multa à taxa diária de oito euros, por dano agravado por uso de arma de fogo.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Lucy Nicholson / Reuters

O tribunal condenou ainda José França Gouveia a uma pena acessória de um ano de interdição de uso e porte de arma e a um pagamento aos donos do cão: 700 euros por danos patrimoniais e 3.300 euros por danos não patrimoniais.

O escriturário das Finanças, reformado, estava acusado de um crime de dano agravado sobre bem móvel por ter alegadamente matado um cão que entrou na sua propriedade, em Monsanto.

Já o dono do cão, acusado de um crime de ameaça agravada e cinco crimes de injúria, foi condenado a uma pena única de 280 dias de multa à taxa diária de 7,5 euros.

José Diogo Castiço terá ainda que pagar 1.500 euros a José França Gouveia por danos não patrimoniais.

O advogado de defesa de José França Gouveia não prestou quaisquer declarações à comunicação social.

Já a defesa de José Diogo Castiço informou que vai recorrer da condenação do seu assistente e que, quanto à condenação do homem que matou o cão, vai, em primeiro lugar, analisar o acórdão.

Lusa

  • Junta de Santa Maria Maior no centro de Lisboa contra despejos de idosos
    3:02
  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.