sicnot

Perfil

País

O que aconteceu no Cais do Sodré segundo o dono do restaurante

O que aconteceu no Cais do Sodré segundo o dono do restaurante

Um caso de violência foi registado nas ruas do Cais do Sodré, em Lisboa, ao início da manhã de ontem. O jornalista da SIC Paulo Varanda falou com um dos envolvidos, o dono de um restaurante, que contou a sua versão do que aconteceu, apesar de não querer falar para a câmara.

O dono Palácio do Kebab, na Rua D Luís I, confirma que tudo se passou pouco depois de ter chegado ao restaurante, para fazer a limpeza. Disse que foi abordado por um grupo que exigia comida, mas negou os pedidos porque não tinha ainda nada preparado, o que levou à situação de violência registada em vídeo.

O proprietário do restaurante disse ainda que usou uma faca para se defender e confirmou que foi disparado um tiro, para o chão, por um dos agressores.

A polícia identificou já sete envolvidos. Além do dono do estabelecimento, são seis jovens com idade entre os 22 e 24 anos que vieram a ser identificados no Hospital de S. José e no Garcia de Orta, em Almada.

O caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária, por ter envolvido uma arma de fogo.

  • Violência no Cais do Sodré, em Lisboa
    0:35

    País

    A violência voltou às ruas do Cais do Sodré, em Lisboa, ao início da manhã de ontem. A cena decorreu na Rua Dom Luís I, frente ao restaurante Palácio do Kebab, eram 7:30. Chamamos a atenção para a agressividade das imagens que recebemos.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.