sicnot

Perfil

País

O que aconteceu no Cais do Sodré segundo o dono do restaurante

O que aconteceu no Cais do Sodré segundo o dono do restaurante

Um caso de violência foi registado nas ruas do Cais do Sodré, em Lisboa, ao início da manhã de ontem. O jornalista da SIC Paulo Varanda falou com um dos envolvidos, o dono de um restaurante, que contou a sua versão do que aconteceu, apesar de não querer falar para a câmara.

O dono Palácio do Kebab, na Rua D Luís I, confirma que tudo se passou pouco depois de ter chegado ao restaurante, para fazer a limpeza. Disse que foi abordado por um grupo que exigia comida, mas negou os pedidos porque não tinha ainda nada preparado, o que levou à situação de violência registada em vídeo.

O proprietário do restaurante disse ainda que usou uma faca para se defender e confirmou que foi disparado um tiro, para o chão, por um dos agressores.

A polícia identificou já sete envolvidos. Além do dono do estabelecimento, são seis jovens com idade entre os 22 e 24 anos que vieram a ser identificados no Hospital de S. José e no Garcia de Orta, em Almada.

O caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária, por ter envolvido uma arma de fogo.

  • Violência no Cais do Sodré, em Lisboa
    0:35

    País

    A violência voltou às ruas do Cais do Sodré, em Lisboa, ao início da manhã de ontem. A cena decorreu na Rua Dom Luís I, frente ao restaurante Palácio do Kebab, eram 7:30. Chamamos a atenção para a agressividade das imagens que recebemos.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.