sicnot

Perfil

País

Deputados de Lisboa pedem à Câmara proteção para discotecas históricas do Cais do Sodré

A Comissão de Economia, Turismo, Inovação e Internacionalização da Assembleia Municipal de Lisboa decidiu recomendar à Câmara que proteja os estabelecimentos históricos da especulação imobiliária, tendo em conta o iminente fecho de discotecas míticas no Cais do Sodré.

Cais do Sodré, o mais recente local da moda, na noite em Lisboa.

Cais do Sodré, o mais recente local da moda, na noite em Lisboa.

Na recomendação, a que a agência Lusa teve hoje acesso, os deputados solicitam que o município envide "todos os esforços para que este tipo de estabelecimentos possa ser protegido da especulação imobiliária, de forma a salvaguardar a identidade histórico-cultural desta zona da cidade".

Isto porque, a seu ver, "o desaparecimento destes estabelecimentos irá contribuir para a descaracterização da área do Cais do Sodré".

Ao mesmo tempo, os responsáveis pretendem que o município avance "rapidamente com o programa Lojas com História, de forma a ajudar à preservação do património de espaços comerciais da cidade".

Criado pela autarquia no ano passado, este programa visa dinamizar o comércio local.

Para isso, a autarquia discutirá em breve a criação de um regulamento que estipula os critérios de distinção dos estabelecimentos históricos da cidade, bem como as medidas de apoio a que se poderão candidatar, suportadas por um fundo de 200 mil euros.

A recomendação da Comissão de Economia, Turismo, Inovação e Internacionalização surge no seguimento de uma audição feita a Fernando Pereira, proprietário de duas discotecas no Cais do Sodré, Jamaica e Tokyo.

Este comerciante, juntamente com o dono do Europa (localizado no mesmo edifício) recebeu, em outubro passado, uma denúncia do contrato de arrendamento por parte dos senhorios.

Apesar de ter efeito a partir de meados deste mês de abril, ainda não houve despejos, já que os donos das discotecas optaram por penhorar o edifício para exigir conversações e pagamento de indemnizações em atraso.

O prédio onde estes espaços se encontram, na Rua Nova do Carvalho (a chamada Rua Cor de Rosa) foi vendido pelos cerca de 30 proprietário a uma imobiliária, que, por sua vez, o revendeu a um grupo hoteleiro francês.

Para já, apenas se prevê que o Jamaica fique no local, enquanto as outras duas, Tokyo e Europa, já estão à procura de espaços alternativas para se instalarem.

Contudo, continuam as negociações, que estão a ser mediadas pela Câmara de Lisboa.

Na recomendação -- assinada pela deputada relatora e presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, Carla Madeira (PS), e pelo presidente da comissão, Carlos Silva Santos (PCP) -- frisa-se que "estes estabelecimentos são ícones da história e da cultura da cidade de Lisboa e da zona do Cais do Sodré, tendo contribuído bastante para reabilitação e dinamização desta zona, nomeadamente da Rua Nova do Carvalho".

O documento, que será apreciado brevemente em plenário, adianta que as discotecas "estão devidamente insonorizadas e funcionam com as portas fechadas, mantendo os seus clientes no interior dos mesmos e contribuindo assim para a diminuição da aglomeração de pessoas na via pública", o que melhora "a qualidade de vida dos moradores".

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.