sicnot

Perfil

País

Esplanadas de estabelecimentos de Lisboa vão passar a fechar à meia-noite

As esplanadas dos estabelecimentos de Lisboa vão ter de fechar à meia-noite com o novo regulamento de horários, que estipula também que as lojas de conveniência encerrem às 22:00, ainda que possa haver exceções neste último caso.

A Câmara de Lisboa aprovou hoje, por unanimidade, a submissão à Assembleia Municipal da revisão do Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços no Concelho de Lisboa, que contou com sugestões dos partidos da oposição (CDS, PSD e PCP).

Falando aos jornalistas no final da reunião pública, o vice-presidente da autarquia, Duarte Cordeiro, especificou que as maiores alterações se prendem com "as horas (de funcionamento) das esplanadas e das lojas de conveniência".

No primeiro caso, o objetivo é que o horário das esplanadas não seja o mesmo dos estabelecimentos, como acontece agora, tendo de fechar até à meia-noite.

No que toca às lojas de conveniência, passam a ter um "horário de referência até às 22:00", precisou Duarte Cordeiro, recordando que tal "não anula a possibilidade de se autonomizar localmente" o horário destes espaços, permitindo que nalgumas zonas fechem à meia-noite.

Estas alterações foram sugeridas pelo CDS-PP.

Os sociais-democratas propuseram, por seu turno, a criação de uma "equipa técnica contra o ruído".

Duarte Cordeiro explicou que esta será uma "equipa multidisciplinar para receber sugestões, queixas e acompanhar os processos".

Já o PCP propôs que o conselho consultivo que vai acompanhar a aplicação do regulamento se reúna quando necessário e que faça um relatório sobre a execução do documento.

O comunista João Ferreira frisou que este era um regulamento "necessário há muito", sendo o "primeiro passo para atacar" os problemas decorrentes da atividade noturna para os moradores.

João Gonçalves Pereira, CDS, recordou que estas são questões "que afetam muitos lisboetas".

O vereador do PSD António Prôa salientou que "não basta ter bons regulamentos, (pois) a fiscalização tem de ser eficaz".

O regulamento, que entrará em vigor após aprovação da Assembleia Municipal, divide a cidade em duas zonas: com e sem limite de horários.

Esta última inclui a frente ribeirinha da cidade, entre o Passeio das Tágides e a Doca Pesca.

No resto da cidade, os cafés, cervejarias e restaurantes poderão funcionar entre as 7:00 e as 2:00 todos os dias, enquanto os bares poderão estar de portas abertas entre as 12:00 e as 2:00 ou até às 3:00 às sextas-feiras, sábados e vésperas de feriado.

Já os espaços com espaço de dança e os recintos de espetáculos poderão funcionar entre as 12:00 e as 04:00.

Os restantes só poderão funcionar entre as 6:00 e as 24:00.

Entre as obrigações previstas está a colocação de limitadores de som nos estabelecimentos que funcionem após as 23:00.

Na ocasião, foi aprovada a submissão a consulta pública de uma alteração simplificada ao Plano Diretor Municipal, referente ao edifício do antigo Hospital da Marinha, bem como a suspensão parcial do Plano de Pormenor do Aterro da Boavista Nascente.

Foi também aprovada a contratação de empreitadas para construir dois lotes nas zonas de alvenaria dos bairros municipais da Boavista e Padre Cruz, com 46 e 48 fogos, respetivamente.

Contudo, foi adiada a apreciação de um direito de usufruto sobre a cobertura do Mercado de Arroios, onde vai nascer uma estufa.

Lusa

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.