sicnot

Perfil

País

"Cuide da sua máquina" vai alertar para sintomas associados a problemas do coração

O Mês do Coração, que decorre em maio, vai ser este ano assinalado com um alerta da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) para o conhecimento da doença e a valorização dos seus primeiros sintomas.

Com o mote "Cuide da sua máquina", a campanha pretende chamar a atenção da população portuguesa para sintomas que habitualmente não são associados a problemas do coração.

Entre estes sintomas, que são os primeiros sinais de alerta para a insuficiência cardíaca, consta a dificuldade em respirar (dispneia), o inchaço dos membros inferiores devido à acumulação de líquidos, uma fadiga intensa, tosse ou pieira, náuseas e aumento de peso.

Segundo a FPC, uma em cada cinco pessoas vai desenvolver insuficiência cardíaca ao longo da sua vida, uma situação clínica debilitante, em que o coração não consegue bombear sangue suficiente para todo o corpo.

Nuno Lousada, cardiologista e administrador da FPC, recorda que "cinco anos é o tempo médio de vida para metade dos doentes com insuficiência cardíaca, após o seu diagnóstico".

"É urgente aumentar o reconhecimento e conhecimento público dos sintomas da insuficiência cardíaca. Apesar da melhoria de cuidados verificada nos últimos 20 anos, a mortalidade por insuficiência cardíaca permanece inaceitavelmente elevada", disse.

O risco de desenvolver insuficiência cardíaca aumenta com a idade e, em geral, tem tendência a ser mais frequente nos homens do que nas mulheres.

Um quinto das pessoas irá desenvolver insuficiência cardíaca em alguma altura das suas vidas.

Lusa

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.