sicnot

Perfil

País

PGR desmente ter recebido pedidos relacionados com André Gustavo

A Procuradoria Geral da República desmente ter recebido pedidos relacionados com André Gustavo. No âmbito da designada Operação Lava Jato, a justiça brasileira estará a investigar responsável pelas campanhas eleitorais de Pedro Passos Coelho.

O nome de André Gustavo Vieira da Silva aparece na mega-investigação ao esquema de corrupção que ficou conhecido no Brasil por Lava-Jato.

O publicitário brasileiro é sócio da Arcos Propaganda, uma empresa de comunicação que alegadamente terá realizado contratos com um banco estatal brasileiro suspeito de ter financiado irregularmente políticos e grupos privados ligados ao PT.

Em Portugal, o PSD foi o único cliente conhecido de André Gustavo. O brasileiro coordenou as campanhas eleitorais de Pedro Passos Coelho em 2011 e 2015.

A ligação ao PSD é de resto antiga. Tem 20 anos e começou no Nrasil quando Gustavo travou conhecimento com o antigo líder do partido, Luís Filipe Menezes.

Há notícias que alegam que a justiça brasileira terá pedido a colaboração do Ministério Público
para investigar o trabalho com o PSD em Portugal, mas, ao início da tarde, a Procuradoria-Geral da República desmentiu ter recebido qualquer pedido relacionado com André Gustavo.

Contactado pela SIC, o próprio André Gustavo disse não ter recebido qualquer pedido de informação nem por parte do Brasil, nem por parte das autoridades portuguesas, nem por parte do PSD. E sublinhou que não foi notificado pela justiça para prestar esclarecimentos.

O PSD diz também que não recebeu das autoridades qualquer pedido de informação sobre os serviços prestados pelo brasileiro.

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".