sicnot

Perfil

País

HUC acusados de demorar 21 dias a autorizar medicamento vital para doente oncológico

Os Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) são acusados de demorar demasiado tempo a autorizar um medicamento vital a um doente com cancro da pele. Vinte e um dias foi quanto a administração demorou a dar luz verde à prescrição para um medicamento que tem custo zero para o hospital.

Na segunda-feira, os HUC informaram que seis dos 23 doentes que ainda ali estava internados na sequência dos incêndios da região Centro encontravam ventilados e com prognóstico reservado.

Na segunda-feira, os HUC informaram que seis dos 23 doentes que ainda ali estava internados na sequência dos incêndios da região Centro encontravam ventilados e com prognóstico reservado.

SIC

O fármaco faz parte de um programa de acesso precoce, ou seja, não está no mercado e exige autorização especial.

Depois de obter a autorização da administração do hospital e da comissão de farmácia e terapêutica, este fármaco já está em Coimbra mas agora precisa da luz verde do Infarmed, pelo que a família teme que o medicamento não chegue a tempo de salvar a vida do homem de 52 anos.

  • Merkel visita Portugal no final de maio

    País

    A chanceler alemã, Angela Merkel, efetua uma visita oficial a Portugal nos dias 30 e 31 deste mês a convite do primeiro-ministro, António Costa. Com passagem por Braga, Porto e Lisboa.

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.