sicnot

Perfil

País

Maria Luis Albuquerque não exclui candidatura à liderança do PSD

A ex-ministra das Finanças Maria Luis Albuquerque não excluiu, numa entrevista ao Diário de Notícias, a possibilidade de suceder ao líder do PSD, Pedro Passos Coelho, na presidência do partido, apesar de garantir que não tem vontade de avançar.

© Rafael Marchante / Reuters

"Relativamente a matérias dessa natureza não se deve dizer nunca. Depende muito das circunstâncias. Se me pergunta se tenho vontade ou se tenho essa intenção, não a tenho, mas nestas matérias afirmações absolutas de nunca parecem-me contraproducentes", disse Maria Luis Albuquerque na entrevista, publicada na edição de hoje Diário de Notícias.

A deputada social-democrata lembrou que a questão da sucessão de Passos Coelho "não está em cima da mesa", sublinhando ser "um hábito pouco saudável em relação a líderes que acabam de ser reeleitos com uma maioria esmagadora estar já a falar de quem é que os sucede".

Em relação ao programa do atual Governo, Maria Luis Albuquerque salientou que a maior preocupação do PSD é a "falta da qualidade das políticas", que se reflete "não só numa estratégia que é errada, como na inconsistência e na incapacidade para serem atingidas as metas, com as consequências que isso traz".

Para a vice-presidente do PSD, apenas com três meses de execução orçamental já existem "vários sinais preocupantes", um dos quais o crescimento dos pagamentos em atraso, situação que considerou revelar "descontrolo e uma provável inconsistência entre as metas traçadas pelo orçamento e aquilo que são as necessidades dos diversos setores".

Em relação à polémica que ficou conhecida como caso Arrow, a empresa com a qual aceitou colaborar, Maria Luis Albuquerque disse ter aceitado o convite porque lhe pareceu interessante a possibilidade de ter "uma experiencia nova e de aprender muitas coisas".

"Quem está na vida política tem de estar preparado para o impacto das suas decisões e para sentir críticas e, portanto, isso é uma coisa que vem no pacote. Faz parte. (...) A questão de 'em política o que parece é', é uma citação de Salazar, e eu, citações de Salazar, não aprecio. A questão foi colocada logo de início de forma errada, primeiro revelando uma enorme ignorância sobre o que é a atividade de uma empresa destas e até de um princípio errado que era uma atividade que eu teria tutelado enquanto ministra das finanças".

Em relação ao Banif, Maria Luis Albuquerque reconheceu que o governo PSD, quando cessou funções, estava "muito confiante" de que o plano de reestruturação delineado teria para os cofres do Estado "um impacto que seria uma pequena parcela daquilo que foi efetivamente".

"O que aconteceu no fim, foi uma surpresa e é uma matéria que tem de ser esclarecida", salientou.

Maria Luis Albuquerque disse manter a confiança no governador do Banco de Portugal, reconhecendo que a manutenção da confiança num regulador, "com a importância do banco central, é um elemento fundamental da própria estabilidade financeira".

A ex-ministra das Finanças sublinhou ser da responsabilidade de todos os atores políticos "não colocar em causa o regulador do setor financeiro" se a preocupação em causa é a questão da estabilidade.

Quanto à criação de um banco mau para concentrar o crédito mal parado, à semelhança do que aconteceu em Espanha e Itália, Maria Luis Albuquerque disse não lhe parecer urgente a existência "de um veículo dessa natureza", dado que aquilo que o sistema financeiro diz "repetidamente é que não há procura de crédito de qualidade para que ponham os fundos disponíveis ao serviço do investimento".

Lusa

  • "Não vale a pena tirarem o cavalinho da chuva"
    2:42

    País

    A oposição acusa os partidos da Esquerda de serem autores envergonhados do Programa de Estabilidade e do Programa Nacional de Reformas. A ex-ministra diz que o PCP e o Bloco de Esquerda não podem desresponsabilizar-se e que "não vale a pena tirarem o cavalinho da chuva". O debate dos dois documentos ficou marcado pelo regresso de Maria Luís Albuquerque e pelo confronto da ex-ministra das Finanças com PCP e Bloco de Esquerda.

  • Maria Luís apontada como principal responsável pela situação do Banif
    2:18

    Banif

    Maria Luís Albuquerque é o nome mais apontado como principal responsável pela situação a que chegou o Banif. O estudo da Eurosondagem feito para a SIC e para o Expresso revela ainda que a esmagadora maioria dos inquiridos considera que António Costa fez bem em interferir no caso do BPI. Para além de Maria Luís Albuquerque, os mais apontados como responsáveis também são a anterior administração do banco e o Banco Central Europeu.

  • Não há incompatibilidades na contratação de Maria Luís Albuquerque pela Arrow
    2:33

    Economia

    Não há incompatibilidades na contratação de Maria Luís Albuquerque pelo grupo de gestão de créditos Arrow. Esta é a conclusão do relatório da subcomissão de Ética que foi aprovado esta manhã no Parlamento. Na reação, Maria Luis Albuquerque incentiva o PCP a enviar as informações para o Ministério Público, como prometeu, e exige um pedido de desculpas se o caso for arquivado.

  • Obrigada a vir dos EUA, de 3 em 3 semanas, para ver o filho
    2:00

    País

    O episódio de hoje de Vidas Suspensas envolve uma médica dentista norte-americana e um português. Um exemplo do que acontece a muitos portugueses que casam com estrangeiros: quando se divorciam, coloca-se a questão de saber para que país vão os filhos.

    Hoje na SIC

  • "Não era o jogo ideal para estreia do videoárbitro"
    4:50
  • Tubarão com 2,7 metros salta para dentro de barco e ataca pescador

    Mundo

    Um australiano foi atacado por um tubarão branco quando estava a pescar na sua embarcação, em Evan Heads, Nova Gales do Sul, na costa Este da Austrália. O animal, com cerca de 200 quilos e 2,7 metros de comprimento, saltou para dentro do barco, derrubou o pescador e mordeu-lhe no braço.

    SIC

  • Uma em cada dez crianças já foi vítima de cyberbullying
    10:41
  • "Sou Presidente de uma pátria com os melhores bombeiros do mundo"
    1:20

    País

    O Presidente da Liga dos Bombeiros, Jaime Marta Soares, avisou este domingo o Governo de que os bombeiros admitem usar o machado da paz para fazer a guerra. Marcelo Rebelo de Sousa destacou o orgulho que sente em ser "Presidente de uma pátria que tem os melhores bombeiros do mundo".