sicnot

Perfil

País

Seis anos de prisão para homem que baleou ex-companheira em Ílhavo

O Tribunal de Aveiro condenou hoje a seis anos de prisão um homem, de 40 anos, por ter baleado a ex-companheira, à frente das duas filhas menores do casal, num quadro de motivações passionais.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Stephen Lam / Reuters

O coletivo de juízes considerou provada a "generalidade" dos factos que constavam da acusação, não se provando, contudo, que o arguido teve como objetivo principal a morte da mulher.

"O que se provou é que o senhor disparou em direção ao corpo da vítima, admitindo como possível atingir um órgão vital e matá-la", disse a juíza presidente.

Durante o julgamento, o arguido confessou ter baleado a ex-companheira, mas disse que pensava que a arma "estava travada", alegando tratar-se de um "acidente".

No entanto, a juíza presidente disse que o tribunal não teve dúvidas de que o disparo foi "voluntário e intencional", adiantando que o arguido ainda não fez uma "reflexão crítica e de auto responsabilização".

"Embora tenha formulado um pedido de desculpas, toda a conduta que teve no julgamento mostra o contrário, porque responsabiliza a vítima pela conduta dela", disse a magistrada.

O coletivo de juízes condenou o arguido a cinco anos de prisão, por um crime de homicídio qualificado na forma tentada agravado pelo uso de arma, um ano e meio, por detenção ilegal de arma, e dois anos e meio, por um crime de violência doméstica.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada uma pena única de seis anos de prisão.

Além da pena de prisão, o arguido terá de pagar à ofendida uma indemnização de 18.200 euros, além das despesas hospitalares.

O arguido vai manter-se em prisão preventiva até ao trânsito em julgado da decisão.

Os factos remontam ao dia 27 de junho de 2015, cerca das 14:00, quando o arguido circulava de automóvel na Estrada Nacional n.º 109, no centro de Ílhavo, imediatamente à frente da viatura conduzida pela ex-companheira, onde seguiam a mãe desta e as duas filhas menores do casal.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o suspeito parou bruscamente o carro no meio da via, saiu da viatura e abeirou-se do carro da ex-companheira, disparando um tiro em direção à ofendida que a atingiu na face, após o que se colocou em fuga.

A mulher foi transportada para o Hospital de Aveiro e depois para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, onde recebeu tratamento médico.

A vítima, que terminou a relação com o arguido em outubro de 2013, depois de cerca de dez anos de vida conjunta, queixava-se que o ex-companheiro a perseguia, insistindo em falar com ela, contra a sua vontade.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.