sicnot

Perfil

País

Uber vai pedir ao Governo que garanta "segurança" e lamenta "atos de violência"

A Uber Portugal anunciou esta sexta-feira que vai pedir ao Governo que garanta "a segurança de utilizadores, motoristas e público em geral", respeitando "o direito de qualquer grupo de se manifestar" mas lamentando "atos de violência".

© Anindito Mukherjee / Reuters

"Respeitamos o direito que qualquer grupo tem de se manifestar, mas de forma pacífica e com respeito pela segurança pública. Lamentamos atos de violência como aqueles a que assistimos hoje nas ruas do Porto, e pedimos ao Governo e às autoridades que ajam para garantir a segurança de utilizadores, motoristas e do público em geral", lê-se em comunicado remetido à agência Lusa.

O protesto de hoje dos taxistas contra a empresa de transporte privado Uber originou, no Porto, vários incidentes que levaram a participações policiais devido a agressões e danos em viaturas, disse à Lusa fonte da PSP do Porto.

Várias fontes, entre as quais policiais, bem como condutores e passageiros, descreveram ao longo da tarde incidentes entre taxistas e motoristas da Uber em zonas do Porto como Campanhã e Batalha.

"Sabemos que o setor do táxi tem enfrentado vários desafios ao longo dos anos. Em parte, isto acontece porque lei que governa o setor é desatualizada e desadequada às necessidades de mobilidade das pessoas nos dias de hoje", refere a Uber Portugal.

Na nota da empresa considera "importante garantir que os táxis beneficiam com o crescimento da procura por soluções de mobilidade 'on-demand' e que têm ao seu dispor as tecnologias necessárias".

"Nesse sentido, saudamos a abertura do Governo a novas formas de mobilidade", lê-se no comunicado.

A Uber Portugal diz estar disponível para "participar num diálogo construtivo" e "com todas as partes" com vista à "criação de um quadro regulatório moderno que vá de encontro às necessidades dos consumidores, e que permita que todos os operadores, incluindo os táxis, possam beneficiar com o uso da tecnologia."

A empresa diz ser seu objetivo "dar resposta à crescente procura por soluções de mobilidade on-demand, ligando as pessoas a operadores de mobilidade licenciados de acordo com as leis em vigor".

"Este tipo de parceiros, aliás, já operava no país antes da nossa chegada", reforça a Uber Portugal.

O dia ficou hoje marcado pelos protestos de taxistas contra a empresa de serviço de transporte privado Uber com ações que decorreram em Lisboa, Porto e Faro.

Esta iniciativa é o culminar de uma semana de luta para pressionar o Governo a suspender a atividade da Uber.

O serviço de transporte Uber permite chamar um carro descaracterizado com motorista privado através de uma plataforma informática, que existe em mais de 300 cidades de cerca de 60 países.

Lusa

  • O que é a Uber?
    1:31

    Economia

    O que é afinal a Uber, a plataforma que tanta contestação dos taxistas tem merecido pelo mundo fora. Nasceu em São Francisco, nos Estados Unidos, em 2009, e a ideia inicial era ser um serviço de táxis de luxo. Com o tempo, acabou por transforma-se num simples serviço de táxi.

  • Motorista Uber diz que foi agredido no Porto
    7:52

    País

    Um motorista da Uber alega que foi hoje agredido no Porto por três homens, que aponta serem taxistas. Pedro Sardinha contou à SIC Notícias, ao telefone, o que se passou quando transportava turistas para um hotel. Foi obrigado a parar depois de lhe atirarem um ovo ao carro. Depois foi perseguido por três homens. "Só não levei mais pancada porque corria mais que eles", garante. Ainda assim sofreu ferimentos na face e numa mão.

  • Quatro mil taxistas entopem Lisboa
    3:20

    País

    Cerca de quatro mil taxistas protestaram esta manhã nas ruas de Lisboa provocando o caos no trânsito nesta sexta-feira. Esta marcha lenta, organizada pela Antral e pela Federação Portuguesa do Táxi é o culminar de uma semana de luta para pressionar o Governo a suspender a atividade da Uber.

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.