sicnot

Perfil

País

Associação de sargentos da GNR defende unificação de polícias

A Associação Nacional dos Sargentos da Guarda (ANSG) defendeu hoje a unificação de polícias caso se mantenha "a gigante falta de paridade de tratamento" da GNR em relação às forças congéneres do Ministério da Administração Interna, designadamente a PSP.

(SIC/ Arquivo)

"Como num Estado de direito não há cidadãos de primeira e de segunda, urge refletir para onde vamos e para onde é que queremos ir, e a manter-se essa desvitalização da instituição GNR, o caminho deverá passar urgentemente pela unificação de polícias", refere a ANSG, num comunicado divulgado a propósito do 105.º aniversário da corporação, que se assinala na terça-feira.

O presidente da ANSG, José Lopes, disse à agência Lusa que "não faz sentido existirem duas polícias, sendo a unificação a decisão mais acertada", caso a GNR continue a ser discriminada.

Segundo a ANSG, existe uma "gritante falta de paridade de tratamento em relação às congéneres forças do Ministério da Administração Interna, em especial à PSP", cujos elementos auferem um vencimento superior aos militares da GNR, apesar de terem o mesmo sistema de apoio à saúde e acesso à aposentação.

José Lopes adiantou que os elementos da GNR têm "mais obrigações" do que os da PSP devido à condição de militar, mas as compensações são inferiores.

"Em vésperas da data comemorativa do 105.º Aniversário da GNR, que supostamente deveria ser de ambiente de união, vive-se hoje no seio da instituição um sentimento de descrédito, desanimo e desmotivação pelo não reconhecimento da sua condição", lê-se no comunicado da ANSG.

Como exemplo, a associação que representa os sargentos daquela força de segurança indica o não reconhecimento dos regimes especiais de acesso à reforma com os cálculos devidos, situação que a ANSG admite levar a tribunal.

José Lopes considerou também que é "mais importante" a revisão da lei orgânica da GNR do que o estatuto profissional daquela força de segurança, tendo em conta a "imperiosa necessidade de redistribuição de efetivo e definição da verdadeira missão da Guarda".

Para o presidente da ANSG, só depois da revisão da lei orgânica é que se deve avançar para o estatuto profissional da GNR, que apenas "salvaguarda a ascensão dos oficiais da academia ao generalato".

No entanto, a associação considera este processo "natural e legítimo".

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28