sicnot

Perfil

País

Associação de sargentos da GNR defende unificação de polícias

A Associação Nacional dos Sargentos da Guarda (ANSG) defendeu hoje a unificação de polícias caso se mantenha "a gigante falta de paridade de tratamento" da GNR em relação às forças congéneres do Ministério da Administração Interna, designadamente a PSP.

(SIC/ Arquivo)

"Como num Estado de direito não há cidadãos de primeira e de segunda, urge refletir para onde vamos e para onde é que queremos ir, e a manter-se essa desvitalização da instituição GNR, o caminho deverá passar urgentemente pela unificação de polícias", refere a ANSG, num comunicado divulgado a propósito do 105.º aniversário da corporação, que se assinala na terça-feira.

O presidente da ANSG, José Lopes, disse à agência Lusa que "não faz sentido existirem duas polícias, sendo a unificação a decisão mais acertada", caso a GNR continue a ser discriminada.

Segundo a ANSG, existe uma "gritante falta de paridade de tratamento em relação às congéneres forças do Ministério da Administração Interna, em especial à PSP", cujos elementos auferem um vencimento superior aos militares da GNR, apesar de terem o mesmo sistema de apoio à saúde e acesso à aposentação.

José Lopes adiantou que os elementos da GNR têm "mais obrigações" do que os da PSP devido à condição de militar, mas as compensações são inferiores.

"Em vésperas da data comemorativa do 105.º Aniversário da GNR, que supostamente deveria ser de ambiente de união, vive-se hoje no seio da instituição um sentimento de descrédito, desanimo e desmotivação pelo não reconhecimento da sua condição", lê-se no comunicado da ANSG.

Como exemplo, a associação que representa os sargentos daquela força de segurança indica o não reconhecimento dos regimes especiais de acesso à reforma com os cálculos devidos, situação que a ANSG admite levar a tribunal.

José Lopes considerou também que é "mais importante" a revisão da lei orgânica da GNR do que o estatuto profissional daquela força de segurança, tendo em conta a "imperiosa necessidade de redistribuição de efetivo e definição da verdadeira missão da Guarda".

Para o presidente da ANSG, só depois da revisão da lei orgânica é que se deve avançar para o estatuto profissional da GNR, que apenas "salvaguarda a ascensão dos oficiais da academia ao generalato".

No entanto, a associação considera este processo "natural e legítimo".

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.