sicnot

Perfil

País

Associação de sargentos da GNR defende unificação de polícias

A Associação Nacional dos Sargentos da Guarda (ANSG) defendeu hoje a unificação de polícias caso se mantenha "a gigante falta de paridade de tratamento" da GNR em relação às forças congéneres do Ministério da Administração Interna, designadamente a PSP.

(SIC/ Arquivo)

"Como num Estado de direito não há cidadãos de primeira e de segunda, urge refletir para onde vamos e para onde é que queremos ir, e a manter-se essa desvitalização da instituição GNR, o caminho deverá passar urgentemente pela unificação de polícias", refere a ANSG, num comunicado divulgado a propósito do 105.º aniversário da corporação, que se assinala na terça-feira.

O presidente da ANSG, José Lopes, disse à agência Lusa que "não faz sentido existirem duas polícias, sendo a unificação a decisão mais acertada", caso a GNR continue a ser discriminada.

Segundo a ANSG, existe uma "gritante falta de paridade de tratamento em relação às congéneres forças do Ministério da Administração Interna, em especial à PSP", cujos elementos auferem um vencimento superior aos militares da GNR, apesar de terem o mesmo sistema de apoio à saúde e acesso à aposentação.

José Lopes adiantou que os elementos da GNR têm "mais obrigações" do que os da PSP devido à condição de militar, mas as compensações são inferiores.

"Em vésperas da data comemorativa do 105.º Aniversário da GNR, que supostamente deveria ser de ambiente de união, vive-se hoje no seio da instituição um sentimento de descrédito, desanimo e desmotivação pelo não reconhecimento da sua condição", lê-se no comunicado da ANSG.

Como exemplo, a associação que representa os sargentos daquela força de segurança indica o não reconhecimento dos regimes especiais de acesso à reforma com os cálculos devidos, situação que a ANSG admite levar a tribunal.

José Lopes considerou também que é "mais importante" a revisão da lei orgânica da GNR do que o estatuto profissional daquela força de segurança, tendo em conta a "imperiosa necessidade de redistribuição de efetivo e definição da verdadeira missão da Guarda".

Para o presidente da ANSG, só depois da revisão da lei orgânica é que se deve avançar para o estatuto profissional da GNR, que apenas "salvaguarda a ascensão dos oficiais da academia ao generalato".

No entanto, a associação considera este processo "natural e legítimo".

Lusa

  • Trabalhos no viaduto terminaram, mas trânsito continua condicionado em Alcântara
    1:23

    País

    Não há, para já, previsão para o restabelecimento da normalidade em Alcântara. Os trabalhos para colocar o viaduto de Alcântara na posição correta, depois do desvio registado num pilar, decorreram esta madrugada. O trânsito mantém-se por isso condicionado no sentido Cascais-Lisboa, como explicou o repórter da SIC, Paulo Varanda.

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.