sicnot

Perfil

País

Marcelo viaja para Maputo após novo encontro com Comunidade de Santo Egídio

O Presidente da República viaja hoje para Moçambique, horas depois de um novo encontro com a Comunidade de Santo Egídio, em Roma, na procura de uma via de diálogo entre o Governo da Frelimo e a Renamo.

PEDRO NUNES/LUSA

Os contactos com a Comunidade de Santo Egídio, não divulgados na sua agenda oficial, enquadram-se numa abordagem discreta de Marcelo Rebelo de Sousa à crise político-militar moçambicana, para a qual não foi ainda encontrada uma fórmula de intermediação aceite pelas duas partes.

O Presidente português chega a Moçambique na terça-feira de manhã e tem uma agenda intensa até sexta-feira à noite, circunscrita a Maputo e arredores da capital moçambicana, da qual não constam encontros com a oposição.

No entanto, o programa desta visita de Estado inclui quatro intervalos designados "períodos privados", onde podem caber conversações políticas e diplomáticas sem presença de jornalistas.

A organização católica Comunidade de Santo Egídio, criada em Roma em 1968 e composta essencialmente por leigos, teve um papel fundamental na mediação das negociações que levaram à assinatura do Acordo Geral de Paz entre Frelimo e Renamo, em Roma, a 04 outubro de 1992, após 16 anos de guerra civil.

Em declarações à Lusa, a partir de Roma, o padre Angelo Romano, da Comunidade de Santo Egídio, afirmou que o encontro de hoje com o Presidente português têm como objetivo a procura de "um caminho para o diálogo" entre Frelimo e Renamo.

"Como todos os amigos de Moçambique, estamos a ver o que é que podemos fazer. Queremos fazer qualquer coisa, em colaboração com as autoridades do país", disse Angelo Romano.

Marcelo Rebelo de Sousa já se tinha encontrado com a Comunidade de Santo Egídio em Roma a 16 de março, na véspera da sua audiência com o papa Francisco, no Vaticano. Essa foi a sua primeira deslocação ao estrangeiro, uma semana depois de tomar posse.

Nesta visita a Itália, o chefe de Estado português está acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e pela secretária de Estado Adjunta e dos Negócios Estrangeiros, Teresa Ribeiro - nascida em Moçambique, que foi quem anunciou a visita do Presidente a este país.

De Roma, seguirá diretamente para Moçambique, hoje à tarde, com uma escala de apenas meia hora em Lisboa, juntamente com Teresa Ribeiro.

O Presidente da República tem como assessor para as relações internacionais o diplomata José Augusto Duarte, que para exercer essas funções deixou o cargo de embaixador de Portugal em Maputo.

Mesmo antes de iniciar funções presidenciais, Marcelo Rebelo de Sousa pôde inteirar-se pessoalmente da posição do Governo da Frelimo sobre a crise político-militar, num jantar que teve na véspera de tomar posse, com o Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi.

No dia 9 de março, Filipe Nyusi e o rei de Espanha foram os únicos chefes de Estado presentes nas cerimónias de posse do Presidente português, nas quais também esteve o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Quanto ao líder da Renamo, Afonso Dhlakama, Marcelo Rebelo de Sousa conheceu-o há 20 anos, quando visitou Moçambique como presidente do PSD. Na altura, apesar de estar na oposição, anunciou "memorandos de entendimento" com os dois partidos moçambicanos.

Lusa

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.