sicnot

Perfil

País

600 médicos sem vaga para formação na especialidade em 2017

Cerca de 600 médicos internos não vão ter vaga para a sua formação na especialidade no próximo ano, um número que nunca foi tão elevado e que resulta "da falta de planeamento", segundo a Ordem dos Médicos.

Regis Duvignau / Reuters

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Conselho Nacional do Internato Médico da Ordem dos Médicos, Edson Oliveira, disse que para o próximo ano foram estipulados 1.600 locais idóneos para a formação dos médicos.

Contudo, existem cerca de 2.200 que estão neste momento no internato geral e que em junho vão escolher a especialidade que querem seguir.

"A Ordem dos Médicos nunca deu tanta capacidade formativa como este ano e atingiu o seu limite. Teria de chegar um dia ao limite", disse Edson Oliveira.

Sem vaga para a sua formação na especialidade ficarão 600 médicos que, após os seis anos de formação universitária, realizaram já o internato comum.

A falta de vagas não encontra solução no setor privado, no qual apenas poucas dezenas de profissionais fazem a especialidade.

Tal deve-se, segundo Edson Oliveira, às dificuldades próprias de um setor que tem sobretudo o fator económico associado.

Isto quer dizer que certos procedimentos que os formandos realizam durante a sua especialização não são realizados nas instituições privadas, pois tal poderia resultar em problemas com as seguradoras e os próprios clientes.

"Os internos têm uma velocidade própria do início da sua formação, mais vagar com os doentes e pedem mais exames, o que pode explicar o menor interesse por parte das instituições privadas" em proporcionar-lhes vagas para a especialização.

No ano passado, ficaram sem vaga 117 médicos, os quais receberam uma proposta do Ministério da Saúde para continuarem no Serviço Nacional da Saúde (SNS), a qual só foi aceite por metade dos médicos.

Para Edson Oliveira, esta é uma "solução falaciosa" e que apenas varre o problema "para debaixo do tapete".

O clínico está preocupado com o previsível excesso de médicos formados que se deverá acentuar nos próximos tempos, quando algumas especialidades que agora têm falta de profissionais vir esse problema resolvido.

"Faltam 900 médicos de família, mas há 2.000 médicos que serão formados nesta especialidade no espaço de dois e três anos", adiantou.

A solução passa, segundo a Ordem dos Médicos, por diminuir os números clausus, mas mesmo esta medida só terá efeitos práticos dentro de sete anos.

"Durante anos, e apesar dos alertas da Ordem dos Médicos, não houve planeamento e o resultado está à vista", disse.

  • Estudantes de Medicina acusam Governo de desinvestir na formação
    2:30

    País

    A Associação Nacional de Estudantes de Medicina acusa o Governo de desinvestir na formação promovendo uma geração de médicos indiferenciados. Com a mudança da lei, em maio deste ano, a autonomia médica é conseguida com o ano comum . Os estudantes dizem que esse é o caminho para abrirem menos vagas para a especialidade.

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.