sicnot

Perfil

País

Autocensura é ameaça para a liberdade de imprensa

A presidente do Sindicato dos Jornalistas considera que a precariedade do setor leva a autocensura, o que é uma ameaça à liberdade de imprensa, enquanto o presidente do regulador dos media considera que esta "está sempre em risco".

Na data em que se assinala o dia internacional da liberdade de imprensa, a presidente do Sindicato dos Jornalistas (SJ), Sofia Branco, considera que no mundo ainda "há sítios onde se é difícil ser jornalista, em que a liberdade imprensa e de expressão está muito condicionada".

No caso português, "até agora, os jornalistas não correm risco de vida, mas isso não quer dizer que não corram outros riscos", apontou a sindicalista.

E dá exemplos como o caso dos clubes de futebol, onde os jornalistas estão sujeitos a "boicotes e muitas vezes a agressões".

Para Sofia Branco, em Portugal não tem havido a "tendência para valorizar a liberdade de imprensa" e aponta a atual situação de precariedade de muitos jornalistas, situação que não afeta apenas aqueles que acabam de sair das universidades.

"A precariedade é avassaladora e tem impacto no exercício da profissão", alertou, já que o medo de perder o emprego, por exemplo, leva muitas vezes a que o jornalista "não ouse em escrever certas coisas, a fazer certas perguntas ou criticar abertamente nas redações".

Ora, "quando há esse risco de ter consequências isso coloca a ameaça da autocensura. Os jornalistas têm consciência disso e é uma das grandes ameaças à liberdade de imprensa", refere.

Sofia Branco defende a necessidade de uma "reflexão coletiva" e aponta o Congresso dos Jornalistas como uma oportunidade para se fazer isso.

A presidente do sindicato salienta que atualmente não é possível responder com exatidão quanto ganha uma jornalista, em média, em Portugal e adiantou que esse trabalho vai ser feito em parceria com o ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, que desde 01 de maio lançou um inquérito para o efeito.

Por sua vez, o presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), Carlos Magno, considera que "a liberdade de imprensa está sempre em risco".

"Não há liberdade de expressão sem liberdade de imprensa", salienta, apontando que a liberdade de imprensa pressupõe "uma enorme tolerância e a capacidade para permitir que opiniões opostas, contrárias, diferentes e potencialmente perigosas sejam afirmadas publicamente para se perceber o que é que a sociedade pensa na sua diversidade e não por aquelas que falam mais alto ou que têm capacidade de acesso aos media".

Em tempos de crise económica, prossegue, "há quem berre mais e com menos qualidade, porque falam as emoções e o desespero, e essas pessoas têm direito a dizer o que pensam, embora pensem pouco do que dizem".

Em segundo lugar, "compete às elites, em momentos de crise, perceber que é obrigatório usar a liberdade de imprensa para canalizar energias, em vez de dispersar, fazer com que a primeira palavra de ordem seja a liberdade e não mandar calar as minorias ", acrescenta Carlos Magno.

"Por isso, não há liberdade de imprensa sem diversidade, sem profissionalismo. Assistimos a um movimento pendular que é a profissionalização das fontes e a proletarização dos jornalistas", diz.

"Garantir a liberdade de imprensa é garantir o exercício de uma profissão com características rigorosamente profissionais. Temos de voltar a ter jornalistas no centro do sistema", conclui.

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.