sicnot

Perfil

País

Deputada Isabel Moreira acusa Exército de denunciar crime público no Parlamento

A deputada Isabel Moreira acusou hoje o diretor de Educação e Doutrina do Exército de denunciar um crime público ao explicar que o caso relatado pelo subdiretor do Colégio Militar se refere a assédio e coação sexual.

Isabel Moreira, deputada do PS. (Lusa/Arquivo)

Isabel Moreira, deputada do PS. (Lusa/Arquivo)

LUSA

O responsável esteve hoje a ser ouvido na subcomissão para a Igualdade e Não Discriminação, na Assembleia da República, a pedido do Bloco de Esquerda, por causa da reportagem do jornal digital Observador sobre o Colégio Militar e das declarações feitas pelo subdiretor da instituição.

Segundo o major-general Fernando Coias Ferreiras, a situação particular a que o subdiretor do Colégio Militar, o tenente-coronel António Grilo, se refere (na reportagem) tem que ver não com um caso de discriminação sexual, mas sim com uma situação de assédio e abuso sexual.

O caso de que António Grilo fala ao jornal Observador refere-se a "um aluno que tentou acarinhar outro".

"Os pais ainda quiseram que ele se mantivesse na escola, mas a partir daí perdeu o espaço. Foi completamente excluído, o que num ambiente de internato, 24 horas por dia, é extremamente pesado para o bem estar e para o equilíbrio de uma pessoa", lê-se no jornal.

Questionado pelo Observador sobre se a homossexualidade é ou não realmente um tabu, o subdiretor respondeu que, para que os alunos possam viver no Colégio Militar como 'irmãos' "é bom que não haja afetos".

Para o diretor de Educação e Doutrina do Exército, "é evidente" que quando o subdiretor fala em afetos ou quando menciona que "é bom que não haja afetos", ele está a referir-se aos "afetos que não são permitidos ao nível do regulamento".

"Estamos a falar de afetos que entram no âmbito do assédio e da coação sexual, não é de simples afetos de amizade", explicou o major-general Fernando Coias Ferreiras.

Estas declarações levaram a deputada socialista Isabel Moreira a afirmar que o responsável tinha acabado de denunciar um crime público.

"Ele falou de crimes. Não sabemos a idade do rapaz, não sabemos se está a falar de um abuso sexual de um maior sobre um menor e isso seria abuso sexual de menor, ou se está a falar de coação sexual e isto é de uma gravidade enorme", apontou a deputada, em declarações aos jornalistas.

Isabel Moreira disse que vai agora reunir com o grupo parlamentar do Partido Socialista para analisar o caso.

Por outro lado, aproveitou para apontar que "é impossível" ao Parlamento ouvir a direção do Colégio Militar, já que, apesar de ter sido pedida a presença da direção da escola, quem foi ouvido na subcomissão foi a tutela intermédia, que "fala e defende a direção e ataca o ministro [da Defesa]".

Também a deputada do Bloco de Esquerda Sandra Cunha disse ter ficado surpreendida, já que o partido tinha pedido a audição da direção do colégio, de alguém com "responsabilidade direta na ação pedagógica do Colégio Militar".

"Estando cá, não íamos recusar a sua audição", disse a deputada, afirmando ter ficado preocupada com a situação de coação sexual passada no colégio.

"Continuamos com a impressão que existe algum desconhecimento ou, pelo menos, alguma recusa de que exista algum tipo de discriminação, o que nos parece, no mínimo, estranho", apontou a deputada.

Sandra Cunha disse que o partido vai analisar o conteúdo da audição e só depois decidir se vai ou não pedir para ouvir o diretor ou o subdiretor do Colégio Militar.

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.