sicnot

Perfil

País

Exército diz que Colégio Militar não escrutina orientação sexual de alunos e pune qualquer agressão

O diretor de Educação e Doutrina do Exército afirmou hoje que a direção do Colégio Militar não anda diariamente a escrutinar os alunos sobre a sua orientação sexual e que qualquer agressão discriminatória é punida pelo regulamento interno.

O responsável esteve hoje a ser ouvido na subcomissão de Igualdade e Não Discriminação, na Assembleia da República, onde foi chamado para falar sobre a reportagem do jornal digital Observador sobre o Colégio Militar e sobre as declarações do subdiretor da instituição.

Aos deputados, o major-general Fernando Coias Ferreiras disse que nunca negou que houvesse alunos homossexuais entre os mais de 600 estudantes da instituição.

"Nós, no dia-a-dia, não andamos propriamente com uma preocupação de escrutínio a ver se algum aluno manifesta ou não a sua orientação sexual. Julgo até que não seria essa uma atitude correta", defendeu.

Por outro lado, deixou a garantia de que "qualquer agressão" a um aluno, seja psicológica ou física, "naturalmente é punida pelo regulamento interno".

"A direção do Colégio Militar não deixa de estar atenta a quaisquer casos de agressão psicológica ou física e, nomeadamente, numa situação mais grave que é o 'bullying', procurando atuar preventivamente e quando não consegue, através de medidas disciplinares que estão previstas em termos do regulamento", afirmou Coias Ferreiras.

Na sequência de uma pergunta feita pela deputada do Bloco de Esquerda Sandra Cunha, sobre de que forma o Colégio Militar procura atuar sobre situações de discriminação sexual, o responsável disse que faz o mesmo que "está previsto noutras escolas".

"Além de ter uma estrutura hierárquica muito firme, que acompanha os alunos no dia-a-dia, que procura compreender o que se passa com cada um desses alunos, (...) existem programas de informação ao nível da educação para a saúde, sexualidade e afetos (...), e há três anos foi criado um gabinete específico de pedagogia", adiantou.

Afirmou que, dessa forma, procuram acompanhar situações que possam configurar qualquer tipo de exclusão entre os alunos.

Sublinhou que, ao nível do internato, as situações de exclusão "merecem um acompanhamento mais próximo" e procura-se saber quais são os motivos por que um aluno é excluído pelos outros, ao mesmo tempo que os pais são chamados para a resolução do problema.

Por outro lado, em relação aos "afetos que saem da pura amizade e camaradagem", o major-general lembrou que não são permitidas no regulamento interno, sendo consideradas faltas graves, para as quais há medidas disciplinares.

Além do diretor de Educação e Doutrina do Exército, hoje foi também ouvida a Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos do Colégio Militar.

Em nome da associação, o presidente da Mesa, Ângelo Felgueiras afirmou que os pais exigem que os seus filhos sejam educados com base no respeito e tolerância, e que não aceitam que haja qualquer tipo de discriminação.

O responsável afirmou que a Associação de Pais nunca teve conhecimento de qualquer caso de discriminação sexual e que se tivesse tido, teria agido em conformidade.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.