sicnot

Perfil

País

Porto inicia projeto de estacionamento rápido junto a escolas

A Câmara do Porto revelou hoje que a rua Guerra Junqueiro vai ter, a partir de segunda-feira, lugares de paragem rápida junto às escolas, num projeto-piloto para alargar a outras zonas e incluir transporte escolar.

(Reuters/ Arquivo)

Em declarações à Lusa, a vereadora da Mobilidade, Cristina Pimentel, adiantou que começaram já esta madrugada os trabalhos de sinalização com vista à "diminuição de pontos de conflito" daquela artéria, nomeadamente devido aos estacionamentos em segunda fila dos pais dos mais de 850 alunos das três escolas que ali se concentram.

As "medidas estruturais" para melhorar a circulação naquela rua, próxima da avenida da Boavista passam pela "criação de lugares de estacionamento de curta duração" - dez minutos -- e pela criação de "sentido único na rua Monsenhor Fonseca Soares".

Nesta artéria, a circulação vai passar a ser permitida apenas no "sentido descendente", ou seja, do supermercado que ali existe até Guerra Junqueiro, acrescentou a vereadora.

De acordo com Cristina Pimentel, "este é um primeiro projeto-piloto para começar, gradualmente, a alargar a outras zonas da cidade".

"Temos plena consciência de que este tipo de programas tem de ser alargado, por exemplo junto ao Fontes Pereira de Melo, ao colégio das Escravas, junto ao Marquês e à rua da Boavista", afirmou.

A área das escolas Secundárias Fontes Pereira de Melo e Clara de Resende, junto ao Bessa, poderá ser a próxima a ser abrangida, uma vez que "tem também uma grande concentração de estabelecimentos de ensino e uma oferta de transportes públicos desarticulada com esse fenómeno".

A experiencia na rua Guerra Junqueiro é, também, para ser acompanhada de um projeto de "transporte escolar naquela zona", que a Câmara está a pensar implementar já a partir do próximo ano letivo e envolvendo a Escola Básica (EB) 1 João de Deus.

Segundo Cristina Pimentel, o objetivo da autarquia é "criar pontos de entrega das crianças mais próximos das suas residências", devido a evitar a concentração de automóveis junto às zonas escolares.

"O transporte escolar não existe e é um dos maiores problemas que temos em termos de gestão de tráfico", afirmou a vereadora.

Cristina Pimentel alerta que o fenómeno de levar as crianças às escolas de automóvel "tem vindo a crescer gradualmente" e que "estudos comprovam que este aumento de viagens representa cerca de quatro viagens por dia".

"Em hora de ponta, esta mobilidade junto às escolas representa 20% do tráfego na cidade", vincou.

"O problema tem de ser resolvido a vários níveis, porque quando o tráfego aumenta, aumenta a sinistralidade e os conflitos", observou.

Quanto à rua Guerra Junqueiro, a ação infraestrutural da autarquia vai ser acompanhada de outras medidas "leves", desenvolvidas em articulação com as escolas, nomeadamente com o Colégio Alemão, que "fez um inquérito de mobilidade junto aos pais".

Esse questionário revelou que "89% dos alunos vão de carro e que, desses 89%, 36% vivem a menos de três quilómetros da escola", nota Cristina Pimentel.

Aquele estabelecimento de ensino vai também promover, junto das crianças e dos pais, a criação de um sistema de "carros partilhados" e de uso de modos suaves de transporte.

A escola vai ainda divulgar "mapas com os melhores percursos pedonais" a fazer nas deslocações na zona.

Lusa

  • "O bom senso obriga a acordo para a estabilização do sistema financeiro"
    2:06

    Economia

    O Presidente da República disse esta quarta-feira que "o bom senso obriga a que todos estejam de acordo para a estabilização do sistema financeiro". Num aparente recado a Passos Coelho, Marcelo apelou a um consenso de regime e avisou que "não há prazer tático que justifique o desgaste" provocado pelas divisões atuais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.