sicnot

Perfil

País

Porto inicia projeto de estacionamento rápido junto a escolas

A Câmara do Porto revelou hoje que a rua Guerra Junqueiro vai ter, a partir de segunda-feira, lugares de paragem rápida junto às escolas, num projeto-piloto para alargar a outras zonas e incluir transporte escolar.

(Reuters/ Arquivo)

Em declarações à Lusa, a vereadora da Mobilidade, Cristina Pimentel, adiantou que começaram já esta madrugada os trabalhos de sinalização com vista à "diminuição de pontos de conflito" daquela artéria, nomeadamente devido aos estacionamentos em segunda fila dos pais dos mais de 850 alunos das três escolas que ali se concentram.

As "medidas estruturais" para melhorar a circulação naquela rua, próxima da avenida da Boavista passam pela "criação de lugares de estacionamento de curta duração" - dez minutos -- e pela criação de "sentido único na rua Monsenhor Fonseca Soares".

Nesta artéria, a circulação vai passar a ser permitida apenas no "sentido descendente", ou seja, do supermercado que ali existe até Guerra Junqueiro, acrescentou a vereadora.

De acordo com Cristina Pimentel, "este é um primeiro projeto-piloto para começar, gradualmente, a alargar a outras zonas da cidade".

"Temos plena consciência de que este tipo de programas tem de ser alargado, por exemplo junto ao Fontes Pereira de Melo, ao colégio das Escravas, junto ao Marquês e à rua da Boavista", afirmou.

A área das escolas Secundárias Fontes Pereira de Melo e Clara de Resende, junto ao Bessa, poderá ser a próxima a ser abrangida, uma vez que "tem também uma grande concentração de estabelecimentos de ensino e uma oferta de transportes públicos desarticulada com esse fenómeno".

A experiencia na rua Guerra Junqueiro é, também, para ser acompanhada de um projeto de "transporte escolar naquela zona", que a Câmara está a pensar implementar já a partir do próximo ano letivo e envolvendo a Escola Básica (EB) 1 João de Deus.

Segundo Cristina Pimentel, o objetivo da autarquia é "criar pontos de entrega das crianças mais próximos das suas residências", devido a evitar a concentração de automóveis junto às zonas escolares.

"O transporte escolar não existe e é um dos maiores problemas que temos em termos de gestão de tráfico", afirmou a vereadora.

Cristina Pimentel alerta que o fenómeno de levar as crianças às escolas de automóvel "tem vindo a crescer gradualmente" e que "estudos comprovam que este aumento de viagens representa cerca de quatro viagens por dia".

"Em hora de ponta, esta mobilidade junto às escolas representa 20% do tráfego na cidade", vincou.

"O problema tem de ser resolvido a vários níveis, porque quando o tráfego aumenta, aumenta a sinistralidade e os conflitos", observou.

Quanto à rua Guerra Junqueiro, a ação infraestrutural da autarquia vai ser acompanhada de outras medidas "leves", desenvolvidas em articulação com as escolas, nomeadamente com o Colégio Alemão, que "fez um inquérito de mobilidade junto aos pais".

Esse questionário revelou que "89% dos alunos vão de carro e que, desses 89%, 36% vivem a menos de três quilómetros da escola", nota Cristina Pimentel.

Aquele estabelecimento de ensino vai também promover, junto das crianças e dos pais, a criação de um sistema de "carros partilhados" e de uso de modos suaves de transporte.

A escola vai ainda divulgar "mapas com os melhores percursos pedonais" a fazer nas deslocações na zona.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.