sicnot

Perfil

País

Marcelo reúne-se hoje com homólogo Filipe Nyusi

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, prossegue hoje a visita de Estado a Moçambique, num dia dominado por contactos políticos e institucionais e que tem no topo da agenda o encontro com o homólogo Filipe Nyusi.

LUSA

A agenda do segundo de quatro dias da deslocação do chefe de Estado português começa com a cerimónia de deposição de uma coroa de flores no Monumento aos Heróis Moçambicanos, seguindo-se o encontro com o Presidente da República de Moçambique, a primeira ocasião em que Marcelo Rebelo de Sousa e Filipe Nyusi estarão lado a lado durante esta visita de Estado.

Na terça-feira, questionado sobre uma eventual ação de Portugal relacionada com o conflito moçambicano entre Frelimo e Renamo, o Presidente português defendeu que não se deve "pôr o carro à frente dos bois", salientando que "num Estado soberano quem tem a palavra decisiva é o poder político do Estado soberano".

Hoje, depois das declarações conjuntas à comunicação social, os dois chefes de Estado estarão novamente juntos num almoço com cerca de 150 empresários e administradores de empresas moçambicanas e portuguesas com presença em Moçambique, iniciativa que contou com a colaboração da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

No primeiro dia da visita, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que Portugal acredita no futuro de Moçambique e vai manter e aumentar o investimento neste país, apesar das atuais dificuldades económicas e financeiras e da crise político-militar.

"A minha palavra de ordem é: o investimento português em Moçambique é fundamental, é para continuar e é para aumentar", declarou o chefe de Estado.

O chefe de Estado português disse então que a situação de Moçambique "vai ser objeto de compreensão" durante a sua visita a Moçambique e que só hoje teria os contactos políticos e institucionais que lhe permitiriam "compreender efetivamente como está a realidade moçambicana".

À tarde, o chefe de Estado português visita a metalomecânica Mecwide e a empresa Sumol/Compal, nos arredores da capital moçambicana.

Depois, janta com o Presidente da República de Moçambique no Palácio da Ponta Vermelha - onde o seu pai, Baltazar Rebelo de Sousa, residiu durante o período colonial, quando foi governador-geral de Moçambique, entre 1968 e 1970.

A última ocasião em que os Presidentes de Portugal e Moçambique estarão juntos no âmbito desta visita de Estado acontecerá no último ponto da agenda, na sexta-feira, num jantar oferecido por Marcelo Rebelo de Sousa em honra de Filipe Nyusi, no hotel Polana.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.