sicnot

Perfil

País

Marcelo reúne-se hoje com homólogo Filipe Nyusi

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, prossegue hoje a visita de Estado a Moçambique, num dia dominado por contactos políticos e institucionais e que tem no topo da agenda o encontro com o homólogo Filipe Nyusi.

LUSA

A agenda do segundo de quatro dias da deslocação do chefe de Estado português começa com a cerimónia de deposição de uma coroa de flores no Monumento aos Heróis Moçambicanos, seguindo-se o encontro com o Presidente da República de Moçambique, a primeira ocasião em que Marcelo Rebelo de Sousa e Filipe Nyusi estarão lado a lado durante esta visita de Estado.

Na terça-feira, questionado sobre uma eventual ação de Portugal relacionada com o conflito moçambicano entre Frelimo e Renamo, o Presidente português defendeu que não se deve "pôr o carro à frente dos bois", salientando que "num Estado soberano quem tem a palavra decisiva é o poder político do Estado soberano".

Hoje, depois das declarações conjuntas à comunicação social, os dois chefes de Estado estarão novamente juntos num almoço com cerca de 150 empresários e administradores de empresas moçambicanas e portuguesas com presença em Moçambique, iniciativa que contou com a colaboração da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

No primeiro dia da visita, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que Portugal acredita no futuro de Moçambique e vai manter e aumentar o investimento neste país, apesar das atuais dificuldades económicas e financeiras e da crise político-militar.

"A minha palavra de ordem é: o investimento português em Moçambique é fundamental, é para continuar e é para aumentar", declarou o chefe de Estado.

O chefe de Estado português disse então que a situação de Moçambique "vai ser objeto de compreensão" durante a sua visita a Moçambique e que só hoje teria os contactos políticos e institucionais que lhe permitiriam "compreender efetivamente como está a realidade moçambicana".

À tarde, o chefe de Estado português visita a metalomecânica Mecwide e a empresa Sumol/Compal, nos arredores da capital moçambicana.

Depois, janta com o Presidente da República de Moçambique no Palácio da Ponta Vermelha - onde o seu pai, Baltazar Rebelo de Sousa, residiu durante o período colonial, quando foi governador-geral de Moçambique, entre 1968 e 1970.

A última ocasião em que os Presidentes de Portugal e Moçambique estarão juntos no âmbito desta visita de Estado acontecerá no último ponto da agenda, na sexta-feira, num jantar oferecido por Marcelo Rebelo de Sousa em honra de Filipe Nyusi, no hotel Polana.

Lusa

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.