sicnot

Perfil

País

António Costa e Daniel Adrião entregam hoje moções e candidaturas à liderança do PS

O secretário-geral do PS, António Costa, e o ex-dirigente socialista Daniel Adrião entregam hoje as suas moções de estratégia globais e respetivas candidaturas à liderança deste partido ao presidente do PS, Carlos César.

M\303\201RIO CRUZ

Fonte oficial socialista disse à agência Lusa que António Costa é recebido às 14:30 pelo presidente do PS para formalizar a entrega da sua moção global e da sua recandidatura ao cargo de secretário-geral, sendo Daniel Adrião recebido para o mesmo efeito por Carlos César 30 minutos depois.

O Congresso Nacional do PS realiza-se entre os dias 3 e 5 de junho na Feira Internacional de Lisboa (FIL) e as eleições diretas pelos militantes socialistas para o cargo de secretário-geral estão marcadas para os próximos dias 20 e 21, período em que também serão eleitos os 1450 delegados ao congresso.

A moção de orientação política do atual primeiro-ministro e secretário-geral do PS tem como título "Cumprir a alternativa, consolidar a esperança".

Este documento foi coordenado pela secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, e teve como redator principal o antigo ministro da Presidência e atual eurodeputado socialista Pedro Silva Pereira.

Na equipa que elaborou a moção de António Costa estiveram ainda envolvidos o antigo ministro e porta-voz socialista Paulo Pedroso, e os atuais dirigentes Eduardo Cabrita, João Galamba, João Tiago Silveira, Porfírio Silva, Pedro Nuno Santos e o presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos.

Tal como a agência Lusa avançou a 24 de março passado, Daniel Adrião, de 48 anos, natural de Alcobaça, apresenta uma moção de orientação política global intitulada "Resgatar a democracia", o que implicou automaticamente a sua candidatura à liderança do PS.

Daniel Adrião afirmou então que o seu objetivo não é o de disputar o cargo de secretário-geral do PS a António Costa, mas sobretudo o de propor mudanças profundas no sistema político, quer nas regras de funcionamento interno dos socialistas, quer no sistema eleitoral das eleições para a Assembleia da República.

"Os estatutos do PS impõem a quem quer debater ideias e propostas alternativas, designadamente através da apresentação de uma moção de estratégia global, a obrigatoriedade de assumir também uma candidatura a secretário-geral. O objetivo deste movimento não é disputar a liderança do PS, mas o de ?Resgatar a Democracia' no PS e no país. A candidatura é por isso apenas o cumprimento de uma regra estatutária com a qual discordamos e que nos bateremos para alterar", avisou desde logo o militante socialista.

Daniel Adrião disputou a liderança da Juventude Socialista (JS) a António José Seguro e Sérgio Sousa Pinto entre os finais da década de 80 e o início dos anos 90.

Mais recentemente, apoiou a candidatura de António Costa à liderança do PS e tem salientado que não discorda da atual solução governativa formada após as últimas eleições legislativas, tendo como suporte o PCP, Bloco de Esquerda e "Os Verdes".

As moções de estratégia de António Costa e de Daniel Adrião sserão divulgadas no site www.ps.pt na sexta-feira.

Lusa

  • PS promove discussão sobre o sistema bancário
    2:09

    Economia

    O Partido Socialista promoveu uma discussão sobre o sistema bancário. Ana Catarina Mendes diz que é necessário completar a união bancária com o Mecanismo Europeu de Garantia de Depósitos. Já o presidente do BPI, Fernando Ulrich disse que é inevitável a concentração de bancos em Portugal. Entre os convidados este também o Presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Faria de Oliveira.

  • PS entende que Vítor Constâncio está a seguir regra do BCE
    0:34

    Banif

    O PS entende que Vítor Constâncio está a seguir uma regra do Banco Central Europeu que obriga os funcionários a darem explicações ao Parlamento Europeu e não aos Parlamentos nacionais. João Galamba diz que os socialistas vão tentar sensibilizar o BCE para alterar a regra.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.