sicnot

Perfil

País

Portugueses vítimas de tráfico humano no estrangeiro triplicaram

O número de portugueses suspeitos de terem sido vítimas de tráfico de seres humanos no estrangeiro mais do que triplicou em 2015 face a 2014, tendo sido sinalizados 58 casos, segundo o Observatório do Tráfico de Seres humanos (OTSH).

(Arquivo)

(Arquivo)

O relatório de 2015 do OTSH indica que, em 2015, foram sinalizados 58 portugueses presumíveis vítimas de tráfico de seres humanos no estrangeiro, mais 43 do que em 2014.

O documento dá conta que, do total de casos, dois dizem respeito a menores, não especificando quantas situações de tráfico de seres humanos de portugueses no estrangeiro foram confirmadas, uma vez que são dados protegidos "por segredo estatístico".

De acordo com o OTSH, a maior parte dos portugueses no estrangeiro é vítima de exploração laboral (48 casos sinalizados), nomeadamente no setor agrícola.

À semelhança de anos anteriores, o principal país de destino sinalizado é Espanha (45), nomeadamente a região de Navarra, em tráfico laboral na agricultura, setor que segundo dados do Ministério Interior espanhol, agregou 28 por ceto do total das 134 vítimas de exploração laboral identificadas em Espanha em 2015, indica o OTSH.

O documento daquele organismo do Ministério da Administração Interna (MAI) refere que estão protegidas por segredo estatístico situações suspeitas de tráfico para fins de adoção, tráfico para fins de exploração sexual e outras formas.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43