sicnot

Perfil

País

João Soares diz que se demitiu para não prejudicar Governo

O antigo ministro da Cultura João Soares mostrou-se hoje surpreendido com a reação pública às "bofetadas" que prometeu a dois cronistas do Público, afirmando que se demitiu para não prejudicar o Governo.

O atual deputado socialista falava, pela primeira vez desde que se demitiu, no início de abril, em entrevista à RTP3, depois de prometer "salutares bofetadas" na rede social do Facebook ao sociólogo Augusto M. Seabra e ao historiador Vasco Pulido Valente.

"Devo dizer-lhe que me surpreendeu a reação que se seguiu. Trata-se obviamente de uma metáfora e de um texto do mais ligeiro que é possível", afirmou João Soares.

O deputado considerou também "inacreditável" que os telejornais daquele dia, durante o qual se realizou o Conselho de Estado, em que estava no país o presidente do Banco Central Europeu e o ministro das Finanças tenha ido ao parlamento para falar da questão do Banif, tenham "aberto com as bofetadas de João Soares".

Reafirmando que diz o que pensa, João Soares sublinhou que para não prejudicar o Governo e o primeiro-ministro, António Costa, em quem confia, decidiu demitir-se.

"Também é uma coisa relativamente pouco comum, passo a imodéstia, que é o desapego do poder. Gostava muito de estar a trabalhar no Ministério da Cultura, mas sou um homem desapegado do poder. No momento em que senti que podia estar a prejudicar o Governo, saí e devo dizer-lhe uma coisa: o primeiro-ministro nunca me pôs a questão de eu me dever demitir", explicou João Soares.

O ex-presidente da Câmara de Lisboa afirmou também que as palavras proferidas pelo primeiro-ministro sobre assunto não influenciaram o seu pedido de demissão.

Após a mensagem divulgada no Facebook por João Soares, e já depois de o antigo ministro da Cultura ter pedido desculpas, o primeiro-ministro voltou a fazer um pedido de desculpas e a pedir aos membros do Governo para serem "contidos na forma como expressam emoções".

Na entrevista, João Soares disse "acreditar profundamente" no atual Governo de "esquerda com o apoio de toda a esquerda do parlamento".

"Está a constituir, por um lado, qualquer coisa de profundamente inovador para política portuguesa e também um exemplo muito importante para a Europa", concluiu.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51