sicnot

Perfil

País

João Soares diz que se demitiu para não prejudicar Governo

O antigo ministro da Cultura João Soares mostrou-se hoje surpreendido com a reação pública às "bofetadas" que prometeu a dois cronistas do Público, afirmando que se demitiu para não prejudicar o Governo.

O atual deputado socialista falava, pela primeira vez desde que se demitiu, no início de abril, em entrevista à RTP3, depois de prometer "salutares bofetadas" na rede social do Facebook ao sociólogo Augusto M. Seabra e ao historiador Vasco Pulido Valente.

"Devo dizer-lhe que me surpreendeu a reação que se seguiu. Trata-se obviamente de uma metáfora e de um texto do mais ligeiro que é possível", afirmou João Soares.

O deputado considerou também "inacreditável" que os telejornais daquele dia, durante o qual se realizou o Conselho de Estado, em que estava no país o presidente do Banco Central Europeu e o ministro das Finanças tenha ido ao parlamento para falar da questão do Banif, tenham "aberto com as bofetadas de João Soares".

Reafirmando que diz o que pensa, João Soares sublinhou que para não prejudicar o Governo e o primeiro-ministro, António Costa, em quem confia, decidiu demitir-se.

"Também é uma coisa relativamente pouco comum, passo a imodéstia, que é o desapego do poder. Gostava muito de estar a trabalhar no Ministério da Cultura, mas sou um homem desapegado do poder. No momento em que senti que podia estar a prejudicar o Governo, saí e devo dizer-lhe uma coisa: o primeiro-ministro nunca me pôs a questão de eu me dever demitir", explicou João Soares.

O ex-presidente da Câmara de Lisboa afirmou também que as palavras proferidas pelo primeiro-ministro sobre assunto não influenciaram o seu pedido de demissão.

Após a mensagem divulgada no Facebook por João Soares, e já depois de o antigo ministro da Cultura ter pedido desculpas, o primeiro-ministro voltou a fazer um pedido de desculpas e a pedir aos membros do Governo para serem "contidos na forma como expressam emoções".

Na entrevista, João Soares disse "acreditar profundamente" no atual Governo de "esquerda com o apoio de toda a esquerda do parlamento".

"Está a constituir, por um lado, qualquer coisa de profundamente inovador para política portuguesa e também um exemplo muito importante para a Europa", concluiu.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.