sicnot

Perfil

País

Túnel do Marão é alternativa ao IP4 onde morreram 136 pessoas em 20 anos

Os números negros da sinistralidade no Itinerário Principal 4 (IP4) sustentaram a reivindicação de uma autoestrada alternativa a esta via, na área dos concelhos de Amarante e Vila Real, e onde, em 20 anos, morreram 136 pessoas.

PEDRO ROSÁRIO

A ligação entre Vila Real e Amarante pelo IP4, a primeira via rápida a rasgar este território, ficou concluída em 1988. Até então a principal via de ligação ao litoral era a Estrada Nacional 15 (EN 15) que subia e descia pela serra e a nova estrada permitiu poupar "duas horas na viagem" e ainda "no desgaste das viaturas" e nos "combustíveis".

Mas, apesar de melhorar as acessibilidades e já aproximar significativamente a zona do Porto e Trás-os-Montes, a nova estrada entrou também para a história desta região pelos números negros da sinistralidade.

Em 2000, foi criada a Associação dos Utilizadores do IP4 (AUIP4) precisamente para alertar para o elevado número de acidentes e de mortos nesta estrada e para reivindicar melhores condições de segurança rodoviária.

Dois anos depois, sociedade civil, autarcas e políticos juntaram-se para subscrever uma petição a reivindicar o prolongamento da Autoestrada 4 (A4), de Amarante até Bragança.

Na altura alertava-se também para os índices de tráfego do IP4, "muito mais elevados do que aqueles para que a estrada foi construída".

"Essencialmente o que se reivindicava era que as pessoas deixassem de morrer no IP4", afirmou hoje à agência Lusa Henrique Baptista, que foi dirigente da entretanto desativada AUIP4.

Segundo esta associação, o ano mais negro da história do IP4 foi em 2004, quando morreram 33 pessoas em toda a sua extensão, desde Amarante, Vila Real a Bragança.

Segundo dados fornecidos à agência Lusa pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), nos concelhos de Vila Real e Amarante houve, nesse ano, 111 acidentes com vítimas e 22 mortos.

Em 2005, o IP4 foi alvo de uma intervenção, a nível do piso e sinalização, foram ainda colocadas balizas rebatíveis de posição ao eixo, pequenos separadores que aplicados nas zonas consideradas mais perigosas da via.

E, após esta intervenção, os índices de sinistralidade diminuíram consideravelmente.

De acordo com a ANSR, em quase 20 anos, entre 1996 e 2015, registaram-se 1.273 acidentes com vítimas no troço compreendido entre Amarante e Vila Real. Destes acidentes resultaram 136 mortos, 200 feridos graves e 1.807 feridos ligeiros.

É precisamente para este troço que a Autoestrada do Marão -- Túnel do Marão, que abre às 00:00 de domingo, se apresenta como alternativa.

Com a nova via pretende-se a redução de 26% da taxa de sinistralidade grave, a diminuição do tempo médio de viagem e a garantia de mobilidade em condições atmosféricas adversas (gelo e neve), que às vezes condiciona o IP4 no seu ponto mais alto, o Alto de Espinho.

"Já era altura de homenagear todas as pessoas que perderam a vida no IP4. Só os números negros da sinistralidade justificavam a nova via e é de bom grado que vemos esta autoestrada finalmente a abrir", salientou Henrique Baptista.

No entanto, o responsável disse que espera que agora "não se abandone" o IP4 e que esta estrada continue a "merecer a devida atenção e manutenção", porque "há muitas pessoas que vão continuar a usar esta via, até porque o Túnel do Marão é portajado".

Este ano morreram duas pessoas neste itinerário. Henrique Baptista referiu que o piso do IP4 começa a "revelar sinais de degradação, que é preciso ter em atenção".

Lusa

  • Túnel do Marão é o maior da Península Ibérica
    2:31

    País

    O Túnel do Marão abre ao trânsito à meia-noite de dia 7 para 8 de maio. É uma das obras mais esperadas em Trás-os-Montes e permite atravessar o Marão em 20 minutos e com muito mais segurança. Com 5,6 quilómetros, o túnel é o maior da Península Ibérica. A SIC acompanhou uma viagem de autocarro no IP4 antes da abertura da alternativa.

  • Autoestrada do Marão é inaugurada sábado
    2:31

    País

    A autoestrada do Marão, que liga Amarante a Vila Real, vai ser inaugurada no sábado, sete anos depois do início da obra. A autoestrada tem 26 quilómetros, quase seis por túnel e, representa um investimento de 270 milhões de euros.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.