sicnot

Perfil

País

Túnel do Marão é alternativa ao IP4 onde morreram 136 pessoas em 20 anos

Os números negros da sinistralidade no Itinerário Principal 4 (IP4) sustentaram a reivindicação de uma autoestrada alternativa a esta via, na área dos concelhos de Amarante e Vila Real, e onde, em 20 anos, morreram 136 pessoas.

PEDRO ROSÁRIO

A ligação entre Vila Real e Amarante pelo IP4, a primeira via rápida a rasgar este território, ficou concluída em 1988. Até então a principal via de ligação ao litoral era a Estrada Nacional 15 (EN 15) que subia e descia pela serra e a nova estrada permitiu poupar "duas horas na viagem" e ainda "no desgaste das viaturas" e nos "combustíveis".

Mas, apesar de melhorar as acessibilidades e já aproximar significativamente a zona do Porto e Trás-os-Montes, a nova estrada entrou também para a história desta região pelos números negros da sinistralidade.

Em 2000, foi criada a Associação dos Utilizadores do IP4 (AUIP4) precisamente para alertar para o elevado número de acidentes e de mortos nesta estrada e para reivindicar melhores condições de segurança rodoviária.

Dois anos depois, sociedade civil, autarcas e políticos juntaram-se para subscrever uma petição a reivindicar o prolongamento da Autoestrada 4 (A4), de Amarante até Bragança.

Na altura alertava-se também para os índices de tráfego do IP4, "muito mais elevados do que aqueles para que a estrada foi construída".

"Essencialmente o que se reivindicava era que as pessoas deixassem de morrer no IP4", afirmou hoje à agência Lusa Henrique Baptista, que foi dirigente da entretanto desativada AUIP4.

Segundo esta associação, o ano mais negro da história do IP4 foi em 2004, quando morreram 33 pessoas em toda a sua extensão, desde Amarante, Vila Real a Bragança.

Segundo dados fornecidos à agência Lusa pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), nos concelhos de Vila Real e Amarante houve, nesse ano, 111 acidentes com vítimas e 22 mortos.

Em 2005, o IP4 foi alvo de uma intervenção, a nível do piso e sinalização, foram ainda colocadas balizas rebatíveis de posição ao eixo, pequenos separadores que aplicados nas zonas consideradas mais perigosas da via.

E, após esta intervenção, os índices de sinistralidade diminuíram consideravelmente.

De acordo com a ANSR, em quase 20 anos, entre 1996 e 2015, registaram-se 1.273 acidentes com vítimas no troço compreendido entre Amarante e Vila Real. Destes acidentes resultaram 136 mortos, 200 feridos graves e 1.807 feridos ligeiros.

É precisamente para este troço que a Autoestrada do Marão -- Túnel do Marão, que abre às 00:00 de domingo, se apresenta como alternativa.

Com a nova via pretende-se a redução de 26% da taxa de sinistralidade grave, a diminuição do tempo médio de viagem e a garantia de mobilidade em condições atmosféricas adversas (gelo e neve), que às vezes condiciona o IP4 no seu ponto mais alto, o Alto de Espinho.

"Já era altura de homenagear todas as pessoas que perderam a vida no IP4. Só os números negros da sinistralidade justificavam a nova via e é de bom grado que vemos esta autoestrada finalmente a abrir", salientou Henrique Baptista.

No entanto, o responsável disse que espera que agora "não se abandone" o IP4 e que esta estrada continue a "merecer a devida atenção e manutenção", porque "há muitas pessoas que vão continuar a usar esta via, até porque o Túnel do Marão é portajado".

Este ano morreram duas pessoas neste itinerário. Henrique Baptista referiu que o piso do IP4 começa a "revelar sinais de degradação, que é preciso ter em atenção".

Lusa

  • Túnel do Marão é o maior da Península Ibérica
    2:31

    País

    O Túnel do Marão abre ao trânsito à meia-noite de dia 7 para 8 de maio. É uma das obras mais esperadas em Trás-os-Montes e permite atravessar o Marão em 20 minutos e com muito mais segurança. Com 5,6 quilómetros, o túnel é o maior da Península Ibérica. A SIC acompanhou uma viagem de autocarro no IP4 antes da abertura da alternativa.

  • Autoestrada do Marão é inaugurada sábado
    2:31

    País

    A autoestrada do Marão, que liga Amarante a Vila Real, vai ser inaugurada no sábado, sete anos depois do início da obra. A autoestrada tem 26 quilómetros, quase seis por túnel e, representa um investimento de 270 milhões de euros.

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Incêndio num estádio em Xangai destrói parte da bancada

    Mundo

    O Estádio Hongkou da equipa chinesa Shanghai Shenhua foi atingido esta terça-feira por um incêndio que acabou por danificar parte da bancada e algumas salas no interior da infraestrutura. Para o local, foi enviada uma equipa de bombeiros que conseguiu controlar as chamas.