sicnot

Perfil

País

Acusados de homicídio em Odivelas condenados a 22 e 18 anos de prisão

O Tribunal de Loures condenou hoje dois homens, a 18 e 22 anos de prisão, pelo homicídio de um terceiro em janeiro de 2015, em Odivelas, por causa de um negócio de droga.

O arguido, de 38 anos e natural de Baião, distrito do Porto, a aguardar julgamento em prisão preventiva - medida de coação mais gravosa - está acusado pelos crimes de homicídio qualificado na forma consumada, homicídio consumado na forma tentada e posse de arma ilegal. (Arquivo)

O arguido, de 38 anos e natural de Baião, distrito do Porto, a aguardar julgamento em prisão preventiva - medida de coação mais gravosa - está acusado pelos crimes de homicídio qualificado na forma consumada, homicídio consumado na forma tentada e posse de arma ilegal. (Arquivo)

SIC

Neste processo estavam pronunciados três arguidos, pelos crimes de homicídio e roubo qualificados, sequestro e tráfico de droga, sendo que um deles acabou por ser absolvido, pelo facto de o tribunal ter concluído que não esteve envolvido em nenhum deles.

Segundo o despacho de acusação do Ministério Público, a que a agência Lusa teve acesso, a vítima tinha consigo dois quilogramas de canábis, que pretendia negociar com dois homens, irmãos, uma vez que sabia que estes se dedicavam à venda de estupefacientes.

Contudo, o negócio não se concretizou nessa noite, porque a vítima estava com um amigo e os arguidos pediram-lhe que voltasse no dia seguinte, mas sozinha.

Assim, na noite de 16 de janeiro, enquanto um ficou em casa a guardar a droga, "os dois outros elementos, após atarem as mãos e os pulsos da vítima, obrigando-a a entrar na sua própria viatura, conduziram por um caminho de terra batida", descreve a acusação. Um dos arguidos levou o automóvel da vítima e outro seguiu na sua viatura.

Chegados a um local de difícil acesso, "retiraram Alexandre Sousa do carro e mantiveram-no manietado, tendo um deles efetuado dois disparos na direção da cabeça da vítima, que viria a falecer no dia seguinte", segundo o MP.

De seguida, os dois homens conduziram cerca de cinco quilómetros, até Almargem do Bispo em Sintra, onde regaram a viatura da vítima com gasolina e lhe atearam fogo.

Durante a leitura do acórdão, que se realizou na Instância Central Criminal de Loures, a presidente do coletivo de juízes classificou este crime de "chocante".

"Este indivíduo foi claramente executado. Houve um enorme grau de violência, de insensibilidade. Foi de uma frieza de alma e de espírito", afirmou a magistrada.

Nesse sentido, o tribunal decidiu condenar um dos homens, que foi considerado o mentor do homicídio, a 22 anos de prisão e o outro a 18 anos.

Lusa

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".