sicnot

Perfil

País

AR debate projetos de resolução para melhorar vida dos cuidadores informais

A Assembleia da República discute em plenário, na quinta-feira, cinco projetos de resolução, do CDS-PP, PCP, PS, PSD e BE, que propõem ao Governo medidas de apoio aos cuidadores informais e a criação do seu estatuto.

(Arquivo)

(Arquivo)

Lusa

Entre as medidas propostas estão o horário de trabalho flexível, deduções fiscais em sede de IRS, apoio psicossocial e possibilidade de baixa médica prolongada para assistência a pessoa sinalizada pela rede de cuidados continuados integrados ou pela rede de cuidados paliativos.

O CDS-PP defende, no projeto, que as famílias e os cuidadores informais "carecem cada vez mais de apoios estruturados" que possam promover a manutenção dos doentes crónicos no domicílio e também o combate à exaustão familiar.

Os cuidadores constituem "verdadeiros parceiros dos serviços de saúde", prestando "uma fatia de cuidados que pode ascender a 80% daquilo de que o doente carece", afirmam os deputados centristas, defendendo um "apoio mais estruturado" a estas pessoas, no hospital e na comunidade.

O PCP observa, por seu turno, que não existe, em Portugal, informação precisa sobre o número de cuidadores, nem estão definidos os apoios a ser disponibilizados, sendo por isso urgente medidas que criem condições para que possam desenvolver de "forma mais adequada e informada a prestação de cuidados".

Nesse sentido, o grupo parlamentar do PCP propõe um conjunto de medidas para os apoiar na área da saúde, da segurança social e do trabalho.

Já o PSD considera que "cumpre ao Estado reconhecer, finalmente", o "papel decisivo" dos cuidadores na ajuda ao bem-estar e à qualidade de vida dos seus familiares dependentes.

Defendem, por isso, "soluções inovadoras" que contemplem "possibilidades de adaptabilidade ou de redução dos tempos de trabalho" e dinamizem "o recurso ao teletrabalho, no respeito pelos direitos e deveres de entidades empregadoras e trabalhadores".

Os deputados do Partido Socialista defendem, por sua vez, o desenvolvimento de estratégias ao nível do bem-estar físico e mental dos cuidadores, através do "incremento do descanso do cuidador".

Um estudo do Observatório Português dos Sistemas de Saúde de 2015, citado pelo PS, estima que nos 3.869.188 agregados familiares existentes em Portugal, haverá 110.355 pessoas com défice de auto cuidado nos domicílios, sendo que, destas, 48.454 serão pessoas acamadas.

Para o PS, é preciso dar "especial relevo ao papel da família na sociedade", com melhoria das condições e bem-estar aos cuidadores informais, que garanta "maior poder de decisão e qualidade nos cuidados domiciliários para pessoas com défice de auto cuidado".

Por fim, o Bloco de Esquerda defende que deve ser garantido ao cuidador, por parte dos cuidados de saúde primários locais, um "apoio regular e permanente" para prestação de cuidados ao doente.

O Estado não está a conseguir garantir "as respostas que deveria dar às famílias e às pessoas que por dependência funcional, fragilidade, incapacidade grave ou doença severa necessitam de cuidados continuados",, empurrando essa responsabilidade para as famílias, sublinha.

"Não é por acaso que Portugal é, em simultâneo, o país onde existe uma das menores taxas de cobertura de cuidados formais e o país da Europa com maior taxa de cuidados domiciliários informais", acrescenta o BE.

Lusa

  • O descanso dos cuidadores de doentes mentais
    8:43

    Edição da Manhã

    Numa altura em que todos gozam férias, não haverá quem necessite mais de um tempo de descanso do que os familiares ou os cuidadores de doentes mentais.O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima, na Parede, desenvolve um programa de Curto Internamento por um período de 30 dias, que visa aliviar o peso e consequente desgaste emocional e físico dos cuidadores de doentes mentais. O Dr. Pedro Varandas, médico psiquiatra e diretor clínico da Casa de Saúde da Idanha, esteve na Edição da Manhã.

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida