sicnot

Perfil

País

Contra o buzinão, em silêncio e de bicicleta

Um grupo de utilizadores de bicicletas promove hoje um passeio, silencioso, em resposta ao anunciado buzinão contras as obras no Eixo Central de Lisboa. A contra-manifestação acontecerá à mesma hora, 18:30.

MÁRIO CRUZ/LUSA

A iniciativa foi dinamizada através das redes sociais.

Está previsto que os ciclistas percorram o Eixo Central, com partida do Marquês de Pombal e em silêncio, marcando a diferença em relação ao buzinão.

A Associação para a Mobilidade Urbana em Bicicleta (Mubi) associou-se ao protesto.

Em causa está o facto de ter sido divulgado que afinal as duas ciclovias previstas no projeto iam ser substituídas por apenas uma, bidirecional, com o objetivo de garantir um maior número de lugares de estacionamento.

  • Associações em defesa das obras no Eixo Central de Lisboa
    0:55

    País

    A intervenção no Eixo Central de Lisboa tem uma duração estimada de 9 meses e prevê o alargamento dos passeios, a criação de zonas verdes e de estadia, a repavimentação das faixas de rodagem, o reordenamento do estacionamento e a criação de uma ciclovia bidirecional. José Soares, da Associação de Moradores das Avenidas Novas, e Manuel João Ramos, da Associação de Cidadãos Automobilizados, acreditam que estas medidas vão permitir uma melhor mobilidade e defendem o plano de requalificação do Eixo Central.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.