sicnot

Perfil

País

Doentes com esclerose tuberosa enviam postais de alerta às autoridades

Mais de 600 postais com testemunhos de doentes com esclerose tuberosa vão ser entregues às autoridades de saúde e outras entidades para alertar para o impacto desta doença rara, que se estima afetar 1.600 portugueses.

A Associação de Esclerose Tuberosa em Portugal vai enviar mensagens aos deputados, ao Ministério da Saúde, câmaras municipais, Infarmed e outras entidades.

A Associação de Esclerose Tuberosa em Portugal vai enviar mensagens aos deputados, ao Ministério da Saúde, câmaras municipais, Infarmed e outras entidades.

© Rafael Marchante / Reuters

A ação, que decorre ao longo desta semana, faz parte de uma campanha de sensibilização lançada pela Associação de Esclerose Tuberosa em Portugal (AETN) para assinalar o Dia Mundial de Consciencialização para a Esclerose Tuberosa, celebrado a 15 de maio.

Numa das mensagens que vão ser enviadas aos deputados, ao Ministério da Saúde, câmaras municipais, Infarmed e a outras entidades pode ler-se: "Numa doença rara como é a esclerose tuberosa, podendo ela afetar tantos órgãos, seria muito importante, para os seus portadores e família acompanhante que fossem criadas condições para a existência de equipas médicas conjuntas, que comunicassem entre si. Seria uma grande ajuda!"

Segundo a AETN, o objetivo destas mensagens "é alertar as entidades decisoras para as dificuldades que os doentes sentem no diagnóstico, no acesso aos tratamentos e no défice de acompanhamento desta doença crónica, que exige o envolvimento de várias especialidades médicas".

A associação adianta que o diagnóstico desta doença "é complexo" e exige o compromisso das autoridades de saúde para que os doentes portugueses possam ter acesso aos cuidados de saúde e tratamento que estão definidos nas orientações clínicas internacionais.

Para a associação, "é urgente colmatar a falta de informação, de apoio e integração social destes doentes, assim como, de tratamento clínico adequado".

Esta é mesmo uma das mensagens escritas num dos postais por Catarina Paulino, mãe de uma menina de seis anos com esclerose tuberosa.

"Quando sabemos que o nosso filho tem esclerose tuberosa, o nosso mundo muda. Passamos de pais a 'gestores' de uma doença rara. Não devia ser assim. Queremos ser apenas os pais e ser acompanhados por médicos que conheçam melhor a doença do que nós", lê-se na mensagem de Catarina Paulino.

A esclerose tuberosa resulta de um distúrbio genético que se traduz no desenvolvimento de tumores benignos em órgãos vitais como o coração, olhos, cérebro, rins, pulmões e pele. Quando se manifesta pode provocar epilepsia, autismo ou défice cognitivo.

Dois terços dos diagnósticos são casos da doença sem antecedentes familiares e um terço são casos hereditários.

Para conhecer "com exatidão" quantas pessoas sofrem desta "doença rara, sem cura anunciada", a Escola Nacional de Saúde Pública está a realizar um estudo epidemiológico sobre a esclerose tuberosa em Portugal

Este estudo irá contribuir para que "as autoridades de saúde e a comunidade médica desenvolvam estratégias para responder melhor às necessidades dos doentes", afirma a presidente da AETN, Micaela Rozenberg.

Lusa

  • A Esclerose Tuberosa em Portugal
    5:59

    Edição da Manhã

    A Associação de Esclerose Tuberosa em Portugal celebra hoje o dia consciencialização sobre esta doença rara, desconhecida de muitos, mas que afeta mais de mil pessoas em Portugal e cerca de um milhão em todo o mundo. Micaela Rozenberg, presidente da associação, e o neuropediatra José Carlos Ferreira, foram esta manhã convidados da Edição da Manhã.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.