sicnot

Perfil

País

Colégio Santa Maria de Lamas fica perto de escola pública desaproveitada

Colégio Santa Maria de Lamas fica perto de escola pública desaproveitada

O Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas, no Grande Porto, também está hoje em protesto. É uma das instituições privadas com contrato de associação que tem escolas públicas muito próximas e desaproveitadas com capacidade para receber mais 10 turmas já no próximo ano letivo.

  • "Guerra política" provocada pelo corte no financiamento de escolas privadas
    3:46

    País

    Passos Coelho acusou o ministro da Educação de estar a tomar decisões sobre os contratos de associação influenciado pelos partidos de esquerda que sustentam o Governo. O líder do PSD falou de interesses que estão na base desta decisão. Mário Nogueira, o secretário-geral da Fenprof diz que se sente insultado e admite avançar com uma queixa para os tribunais contra Passos Coelho. A Federação Nacional de professores defende que, por detrás da polémica, há interesses financeiros.

  • Protestos regressam aos colégios com contrato de associação
    2:41

    País

    Os protestos regressaram, esta manhã, às 79 escolas com contrato de associação. Os edifícios estão com bandeiras e faixas amarelas, enquanto alunos, professores e funcionários usam peças de vestuário da mesma cor. A iniciativa "Quartas-feiras Amarelas" vai decorrer até ao final do ano letivo, em luta contra o fim do financiamento público.

  • Instituições de educação privadas acusam Governo de quebrar acordo
    6:49

    País

    O Diretor da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo, Rodrigo Queiroz e Melo esteve na Edição da Noite da SIC Notícias para falar dos cortes que o governo fez aos colégios privados. As instituições privadas falam em quebra de acordo da parte do executivo e admitem avançar para tribunal.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Viver em Évora
    5:11
  • Ano letivo "de uma maneira geral começou bem"

    País

    O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o ano letivo "de uma maneira geral começou bem" e defendeu a possibilidade serem feitas "correções" a situações "injustas ou discutíveis" entre os concursos que se realizam de quatro em quatro anos.