sicnot

Perfil

País

Nível das águas do Tejo vai aumentar nas próximas horas

O nível das águas do rio Tejo deverá aumentar nas próximas horas devido às descargas das barragens espanholas e portuguesas, sendo aguardado um novo 'pico' dos caudais por volta das 21:00, alertou a Proteção Civil de Santarém.

PAULO CUNHA

"Consolida-se assim a probabilidade de um episódio de cheia", pode ler-se no comunicado enviado às 15:00 pelo Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém.

A situação decorre "da precipitação que se tem sentido no distrito, mas essencialmente das descargas das barragens espanholas e portuguesas", explica o comando.

Na mesma nota, o CDOS alertou que "os níveis hidrométricos e caudais do rio Tejo têm vindo a aumentar e podem atingir os 2.000 metros cúbicos por segundo (m3/s) em Almourol nas próximas seis a oito horas".

A saída do rio das suas margens implica normalmente a inundação de zonas baixas, nomeadamente em Constância e Tancos (Vila Nova da Barquinha), e de algumas vias em vários concelhos do distrito de Santarém, com a possibilidade de isolamento da povoação de Reguengo do Alviela (Santarém), situação que chegou a estar prevista para a madrugada de terça-feira.

A Proteção Civil mantém assim as recomendações às populações para que retirem das zonas normalmente inundáveis equipamentos agrícolas, industriais, viaturas e outros bens e que levem os animais para locais seguros.

É ainda recomendado que não sejam atravessadas estradas ou zonas alagadas com viaturas ou a pé.

MYF // ROC

Lusa/fim

NewsSubjects:- Meteo - Inundações - Organizações de socorro - rios

20160511T160806

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.