sicnot

Perfil

País

Saída de Paulo Portas do Parlamento "está por dias"

O ex-presidente do CDS-PP Paulo Portas disse hoje à Lusa que a sua saída da Assembleia da República "está por dias", de acordo com o que combinou com a atual líder centrista, Assunção Cristas.

ESTELA SILVA

"Está por dias. Tenho isso tudo combinado com a senhora presidente [do partido]", disse Paulo Portas à agência Lusa, sem querer concretizar qual o dia em que deixará o parlamento.

Com a saída de Paulo Portas, entra para o grupo parlamentar centrista Filipe Anacoreta, que já havia assumido o mandato no início da legislatura quando Paulo Portas esteve no Governo de Pedro Passos Coelho que foi derrubado pela maioria de esquerda na Assembleia da República.

Filipe Anacoreta Correia, advogado, líder da tendência Alternativa e Responsabilidade (AR), foi crítico de Paulo Portas, e com a presidência de Assunção Cristas passou a integrar a comissão executiva, o órgão de direção mais restrito.

Assunção Cristas sucedeu a Paulo Portas na liderança do CDS-PP no Congresso de Gondomar, em março.

Paulo Portas liderava os centristas desde o Congresso de Braga, em 1998, apenas com um interregno de dois anos, durante a presidência de José Ribeiro e Castro (2005-2007).

Lusa

  • Portas assume vice-presidência da Câmara do Comércio
    2:03

    Economia

    Paulo Portas assumiu hoje o cargo de vice-presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Portugal e admitiu que não ficará por este novo cargo. Na instituição, Portas irá desempenhar a função de promover empresas portuguesas no mercado internacional.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.