sicnot

Perfil

País

Taxistas pedem milhões de indemnização à Uber e a quem deixou a empresa operar

A Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) vai pedir milhões de euros de indemnização por prejuízos num processo contra a Uber, considerando como corresponsáveis as autoridades que não impediram a operação da plataforma de transporte privado.

Florêncio Almeida, presidente da ANTRAL, comentava, em declarações à agência Lusa, declarações do presidente da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), João Carvalho, que hoje admitiu, no parlamento, que a Uber funciona de forma ilegal e defendeu que compete à ANTRAL pedir a execução da sentença que proibiu os serviços da Uber em Portugal.

"Não é verdade. O próprio tribunal notificou todas as autoridades do país para fazerem cumprir a decisão. Não é a ANTRAL que tem de [pedir o cumprimento da sentença]. O próprio tribunal decidiu. Notificou o IMT, notificou o Governo, notificou a ANACOM, notificou as câmaras de Lisboa, Porto e Coimbra. Notificou as operadoras de telecomunicações. Tudo foi notificado para cumprir", realçou Florêncio Almeida.

O dirigente da ANTRAL afirmou ainda que, devido a terem sido notificadas e não terem agido, estas autoridades "estão a incorrer numa coima diária de 10 mil euros" e vão ser incluídas na ação principal contra a Uber, que a organização de taxistas deve apresentar "muito brevemente".

"No processo [ação principal que se segue a uma providência cautelar] que estamos a preparar contra a Uber essas entidades também vão ser incluídas, porque elas são corresponsáveis por não fazerem cumprir as decisões dos tribunais", disse.

Florêncio Almeida salientou que no processo vai ser pedida uma indemnização "de milhões, não de meia dúzia de tostões", com base "em prejuízos causados à indústria do táxi".

A ANTRAl irá ainda mover brevemente uma providência cautelar contra a plataforma espanhola de transporte privado Cabify, que hoje começou a operar em Portugal, num processo autónomo, afirmou.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras