sicnot

Perfil

País

Elevada probabilidade de cheias no rio Tejo hoje

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém manteve hoje o alerta para a elevada probabilidade de cheia no rio Tejo, na sequência da chuva registada em Portugal e também em Espanha.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

Manuel Almeida

Fonte do CDOS disse à agência Lusa que as barragens portuguesas e espanholas apresentam valores de armazenamento muito elevados, devido à chuva, situação que gerou um aumento dos níveis hidrométricos e caudais do rio Tejo, a par de uma saturação dos solos.

Num comunicado divulgado ao início da tarde, o CDOS dá conta de que, durante a noite de quinta-feira, às 20:45, o rio galgou as suas margens, nas zonas do Patacão/Alpiarça e da Quinta do Paúl, inundando terrenos, incluindo campos agrícolas.

Registou-se também o corte das estradas camarárias n.º 1, n.º 7 e n.º 30, em Brôa (Golegã) e no Paúl do Boquilobo, em Riachos (Torres Novas).

Mantendo-se a situação atual, o caudal lançado pelo conjunto das barragens com influência no rio Tejo pode atingir nas próximas seis a oito horas os 2.000 metros cúbicos por segundo na região de Almourol, no Ribatejo.

O CDOS de Santarém afirma que "é expectável nas próximas horas uma manutenção dos caudais do rio Tejo, mantendo-se assim uma elevada probabilidade de cheia", e aconselha a que se retire das zonas confinantes equipamentos agrícolas, industriais, viaturas e outros bens.

O CDOS aconselha ainda a população a retirar os animais para locais seguros, nomeadamente os rebanhos que se encontram nas zonas provavelmente inundáveis.

Outro conselho é "não atravessar com viaturas ou a pé estradas ou zonas alagadas".

Lusa

  • Sismo de 3,1 com epicentro a 8 km de Almodôvar

    País

    Um sismo de magnitude 3,1 na escala de Richter com epicentro a cerca de oito quilómetros a nordeste de Almodôvar, distrito de Beja, foi hoje sentido no continente, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

  • ADSE quer poupar 29 milhões com nova tabela de preços
    2:50

    Economia

    A nova tabela de preços - que a ADSE quer que entre em vigor a 1 de março - pretende poupar 29 milhões de euros, nos cuidados de saúde prestados fora das unidades públicas aos funcionários do Estado. Os hospitais privados consideram a proposta irreal e ameaçam pôr fim aos acordos com a ADSE.

  • Paris afetada por praga de ratos
    1:03