sicnot

Perfil

País

Sistema de saúde "está por um fio" por falta de enfermeiros, diz Bastonária

O sistema de saúde português "está por um fio", devido à falta de enfermeiros, afirma a bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, que garante que muitos profissionais portugueses que emigraram estão dispostos a voltar.

Durante uma visita a Londres, a propósito do Dia Internacional do Enfermeiro, Ana Rita Cavaco encontrou-se com enfermeiros portugueses e visitou o St. George's Hospital, tendo recolhido testemunhos sobre uma situação que o Reino Unido vivenciou há alguns anos atrás.

"Foi preciso morrer pessoas por falta de rácios de enfermeiros, para haver um escândalo público e tudo ter mudado. Não está tudo ótimo, mas temos aqui rácios que estão muito longe, neste momento, daqueles que são praticados em Portugal", disse a bastonária à agência Lusa, citando testemunhos de profissionais britânicos.

"É por isso que dizemos que o sistema de saúde em Portugal está por um fio, quando vemos dois enfermeiros por 40 doentes [e] uma urgência médica ou cirúrgica com quatro enfermeiros. Isto é muito daquilo que se passou aqui [no Reino Unido] há uns anos", vincou.

A bastonária lembrou que, nos últimos cinco anos, cerca de 13 mil enfermeiros saíram de Portugal, estimando-se que cerca de 5.000 se tenham fixado no Reino Unido, e que há muitos que querem voltar a Portugal, mesmo com as condições que existem atualmente.

"Há pessoas que nós não precisamos de convencer, eu acho é que todos temos direito a uma escolha. Isto é uma questão de opção e a eles não lhes está a ser dada essa opção. Há aqueles que quererão continuar cá [Reino Unido] ou noutros países, porque terão acesso a outro tipo de formação, a outro vencimento, a outras condições. Mas há aqueles que, apesar das condições que existem, querem ter essa oportunidade e não é o que se está a passar em Portugal", sublinhou.

Segundo a bastonária da OE, "é fácil perceber que, se cumprirmos o número mínimo de enfermeiros para cuidar das pessoas, isso não coloca em risco a vida delas".

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.