sicnot

Perfil

País

Utilizadores de bicicleta criticam alterações ao projeto do Eixo Central de Lisboa

A Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta (Mubi) considerou hoje "inaceitável que se jogue com vidas humanas, em troco de cedências políticas", criticando a Câmara de Lisboa pelas alterações ao projeto de requalificação do eixo central.

CML

"Sobre a decisão de última hora de sacrificar os utilizadores de bicicleta, ao arrepio flagrante do acordo que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) fez com representantes da sociedade civil para conseguir mais lugares de estacionamento, a Mubi considera inaceitável que se jogue com vidas humanas em troco de cedências políticas que, ainda por cima, contradizem a estratégia de mobilidade sustentável que o autarca pretende defender para a cidade", afirma associação.

Num comunicado divulgado no seu site, a Mubi considera que "o espaço dedicado ao automóvel neste eixo, em comparação com os outros meios de transporte, é obsceno, socialmente injusto e economicamente injustificável".

Em causa estão alterações ao projeto anunciadas pelo presidente do município, Fernando Medina, que prevê a introdução de uma ciclovia bidirecional do lado poente da Avenida da República, enquanto anteriormente estava prevista a criação de uma ciclovia em cada sentido, entre o Marquês de Pombal e Entrecampos.

A associação argumenta que "a escolha de uma tipologia bidirecional é geralmente mais perigosa em zonas urbanas com muitos cruzamentos - a sua escolha deve ser feita criteriosamente como exceção e depois de um processo participado e escrutinado o rigor técnico da escolha - não como uma cedência de última da hora".

"Refutamos veementemente a afirmação do presidente Fernando Medina de que este recuo político melhora o projeto e tem vantagens para os utilizadores de bicicleta", acrescenta a nota.

A Mubi dá como exemplo a ciclo da Avenida Duque d'Ávila, "que tem provocado diversos acidentes no cruzamento com a própria Av. da República, já deveria ter dado à CML o exemplo prático em Lisboa deste perigo".

Também em termos de estacionamento, o autarca anunciou que as alterações introduzidas ao projeto "fazem com que a norte do Saldanha (Avenida Elias Garcia) haja até algum ganho líquido pequeno face à situação atual", de sete lugares.

Entre as mudanças está o parqueamento em espinha, nomeadamente nas avenidas Miguel Bombarda, João Crisóstomo e António José de Almeida, onde foi possível criar 94 lugares.

A autarquia chegou ainda a acordo com operadoras de parques privados para assegurar 165 lugares alternativos com avenças mensais de 25 euros, valor mais baixo do que é praticado, recordou.

"Aumentar o número de lugares de estacionamento é contrário a todas as boas práticas europeias e contraria de forma gritante a política de mobilidade que a cidade de Lisboa devia prosseguir", afirma a Mubi.

Quanto ao estacionamento subterrâneo, os ciclistas consideram uma "decisão vergonhosa de subsidiar o estacionamento de alguns", e não aceita "que os cidadãos de Lisboa contribuam com os seus recursos para continuar a incentivar a utilização do transporte individual de alguns moradores da cidade".

Na terça-feira, a Mubi convocou um "passeio silencioso em protesto contra o buzinão" convocado para o mesmo dia por um grupo de cidadãos, que se manifestaram contra as obras do eixo central.

Em causa, neste projeto, está o alargamento dos passeios, a criação de zonas verdes e de estadia, a repavimentação das faixas de rodagem (feita durante a noite), o reordenamento do estacionamento e a criação de uma ciclovia bidirecional, no âmbito do programa "Uma praça em cada bairro".

Orçada em 7,5 milhões de euros, a intervenção tem uma duração estimada de nove meses.

Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01