sicnot

Perfil

País

Utilizadores de bicicleta criticam alterações ao projeto do Eixo Central de Lisboa

A Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta (Mubi) considerou hoje "inaceitável que se jogue com vidas humanas, em troco de cedências políticas", criticando a Câmara de Lisboa pelas alterações ao projeto de requalificação do eixo central.

CML

"Sobre a decisão de última hora de sacrificar os utilizadores de bicicleta, ao arrepio flagrante do acordo que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) fez com representantes da sociedade civil para conseguir mais lugares de estacionamento, a Mubi considera inaceitável que se jogue com vidas humanas em troco de cedências políticas que, ainda por cima, contradizem a estratégia de mobilidade sustentável que o autarca pretende defender para a cidade", afirma associação.

Num comunicado divulgado no seu site, a Mubi considera que "o espaço dedicado ao automóvel neste eixo, em comparação com os outros meios de transporte, é obsceno, socialmente injusto e economicamente injustificável".

Em causa estão alterações ao projeto anunciadas pelo presidente do município, Fernando Medina, que prevê a introdução de uma ciclovia bidirecional do lado poente da Avenida da República, enquanto anteriormente estava prevista a criação de uma ciclovia em cada sentido, entre o Marquês de Pombal e Entrecampos.

A associação argumenta que "a escolha de uma tipologia bidirecional é geralmente mais perigosa em zonas urbanas com muitos cruzamentos - a sua escolha deve ser feita criteriosamente como exceção e depois de um processo participado e escrutinado o rigor técnico da escolha - não como uma cedência de última da hora".

"Refutamos veementemente a afirmação do presidente Fernando Medina de que este recuo político melhora o projeto e tem vantagens para os utilizadores de bicicleta", acrescenta a nota.

A Mubi dá como exemplo a ciclo da Avenida Duque d'Ávila, "que tem provocado diversos acidentes no cruzamento com a própria Av. da República, já deveria ter dado à CML o exemplo prático em Lisboa deste perigo".

Também em termos de estacionamento, o autarca anunciou que as alterações introduzidas ao projeto "fazem com que a norte do Saldanha (Avenida Elias Garcia) haja até algum ganho líquido pequeno face à situação atual", de sete lugares.

Entre as mudanças está o parqueamento em espinha, nomeadamente nas avenidas Miguel Bombarda, João Crisóstomo e António José de Almeida, onde foi possível criar 94 lugares.

A autarquia chegou ainda a acordo com operadoras de parques privados para assegurar 165 lugares alternativos com avenças mensais de 25 euros, valor mais baixo do que é praticado, recordou.

"Aumentar o número de lugares de estacionamento é contrário a todas as boas práticas europeias e contraria de forma gritante a política de mobilidade que a cidade de Lisboa devia prosseguir", afirma a Mubi.

Quanto ao estacionamento subterrâneo, os ciclistas consideram uma "decisão vergonhosa de subsidiar o estacionamento de alguns", e não aceita "que os cidadãos de Lisboa contribuam com os seus recursos para continuar a incentivar a utilização do transporte individual de alguns moradores da cidade".

Na terça-feira, a Mubi convocou um "passeio silencioso em protesto contra o buzinão" convocado para o mesmo dia por um grupo de cidadãos, que se manifestaram contra as obras do eixo central.

Em causa, neste projeto, está o alargamento dos passeios, a criação de zonas verdes e de estadia, a repavimentação das faixas de rodagem (feita durante a noite), o reordenamento do estacionamento e a criação de uma ciclovia bidirecional, no âmbito do programa "Uma praça em cada bairro".

Orçada em 7,5 milhões de euros, a intervenção tem uma duração estimada de nove meses.

Lusa

  • Proteção Civil desmobiliza meios em Setúbal

    País

    A Proteção Civil vai começar a desmobilizar, hoje à tarde, meios de combate ao incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal e que já está em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o vereador da Proteção Civil Municipal.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Portugal condenado por decisão "discriminatória e preconceituosa"
    1:19

    País

    Portugal voltou a ser condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, desta vez por causa de uma decisão discriminatória e preconceituosa. Trata-se do caso da mulher a quem o Supremo Tribunal Administrativo baixou o valor de uma indemnização por negligência médica. Entre os vários argumentos usados, os juízes portugueses consideraram que a sexualidade é menos importante quando se tem 50 anos e dois filhos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.