sicnot

Perfil

País

Costa acusa PSD de enganar pessoas sobre contratos de associação já assinados

O primeiro-ministro acusou hoje o PSD de enganar as pessoas sobre os contratos de associação com colégios privados que assinou, sublinhando que em nenhum está garantida a abertura de novas turmas ou a transição de um ciclo para os outros.

TIAGO PETINGA/LUSA

"Não diabolizamos nada, não fazemos é confusões, nem fazemos demagogia à custa daquilo que é a confiança e a tranquilidade que as crianças e as famílias têm de ter relativamente àquilo que o senhor contratou e que, pelos vistos, enganou as pessoas sobre aquilo que contratou", afirmou o primeiro-ministro, António Costa, em resposta a uma pergunta colocada pelo líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, no debate quinzenal no parlamento.

Reiterando que o Governo está a aplicar a lei e cumprirá "escrupulosamente" os contratos assinados pelo anterior executivo de maioria PSD/CDS-PP, António Costa considerou que estes podem "ter iludido algumas pessoas", pois o que está lá disposto "é assegurar numa base plurianual que sejam cumpridos e financiados com contrato de associação os meninos até completarem o ciclo onde se matricularam".

Ou seja, acrescentou, não está garantida a "transição de um ciclo para ou outro, nem a abertura de novas turmas nos primeiros anos dos ciclos anteriores".

A acusação do primeiro-ministro de que o PSD "enganou" as pessoas sobre os contratos de associação que assinou motivou ruidosos protestos dos sociais-democratas, com alguns deputados a baterem com as mãos na bancada.

Gesto que levou à intervenção do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, que lembrou que "há formas regimentais de proteger a honra que passam por não estragar a mobília".

Antes da resposta do primeiro-ministro, o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, tinha deixado um "desafio construtivo" ao Governo, pedindo para que este ano não se precipite nenhuma decisão e que se espere que o Conselho Nacional de Educação apresente "contas fidedignas", nas quais se perceba os impactos da decisão que o executivo quer tomar, para decidir no próximo ano, "com estabilidade e previsibilidade para as famílias e comunidade educativa, o que é melhor".

Passos Coelho rebateu ainda que subjacente à revisão dos contratos de associação com escolas privadas esteja a necessidade de fazer poupanças, recordando que o anterior executivo reduziu a despesa do Estado com este tipo de contratos.

Agradecendo a questão, o primeiro-ministro disse ser esta a oportunidade para "resolver algo que é um equívoco manifesto" no discurso do PSD, sublinhando que os contratos de associação têm natureza muito definida: "não são um instrumento de liberdade de escolha, são um instrumento subsidiário para suprir através do ensino privado ou cooperativo carências da rede pública", disse, defendendo que onde há carências na rede podem haver contratos de associação.

Reiterando que o Governo está a aplicar a lei, António Costa assegurou que nenhuma criança que esteja abrangida por um contrato deixará de completar o ciclo em regime de associação.

Sobre a abertura de novas turmas, referiu, o Governo está a avaliar as carências da rede pública e onde existirem serão criadas novas turmas.

"Estamos simplesmente a aplicar lei", sublinhou, insistindo que, "ao contrário do que diz não há decisão" e que é fundamental perceber que os contratos de associação são "contratos de substituição da rede publica".

"Não tenho a visão sobre os colégios privados e cooperativos idêntica à que tem sobre os sindicatos em Portugal - por isso eu não diabolizo os colégios privados e cooperativos", acrescentou, frisando que o Governo não exclui continuar a trabalhar com esses colégios.

Com Lusa/Última atualização às 11:44

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20