sicnot

Perfil

País

Homem que entrou armado no aeroporto de Lisboa condenado a 4 anos e meio de prisão

Gima Calunga, o holandês de origem angolana que entrou armado no aeroporto de Lisboa, em julho de 2014, foi hoje condenado a 4 anos e 6 meses de prisão efetiva. Foi ilibado do crime de terrorismo.

Arquivo SIC

Calunga foi considerado culpado por atentado à segurança de transporte por ar e detenção de arma priobida.

O homem acabou por ser absolvido do crime de adesão e apoio a grupos extremistas.

Em julho de 2014, Gima Calunga entrou com uma faca numa área reservada do aeroporto de Lisboa.

O julgamento sofreu vários adiamentos, o último dos quais se deveu ao facto de o seu advogado de defesa ter solicitado ao tribunal a lista dos 22.000 membros de origem europeia do Daesh divulgada pela televisão Sky News, em março. Para o advogado, era "pertinente" saber se o nome do seu constituinte constava da Lista.

Ao longo do julgamento, o coletivo indeferiu um pedido de Bruno Gomes para que o arguido fosse submetido a novos testes de avaliação psicológica e psiquiátrica.

Com Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.