sicnot

Perfil

País

PEV pede posição firme do Governo contra uso do herbicida glifosato

A deputada do PEV Heloísa Apolónia pediu hoje ao Governo português que assuma uma posição de firmeza contra o glifosato quando for discutido o uso deste herbicida em Bruxelas no próximo dia 18.

"Se está tão determinado a ir para Bruxelas defender que não sejam aplicadas sanções pelo défice de 2015, peço que com a mesma firmeza vá para Bruxelas dizer não ao glifosato", disse a deputada do PEV, advertindo para o potencial cancerígeno daquela substância, reconhecido pela Organização Mundial de Saúde.

Intervindo durante o debate quinzenal no parlamento, Heloísa Apolónia frisou que no próximo dia 18 de maio será decidido, no comité de peritos, se será ou não renovada a licença para a utilização daquele herbicida.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, disse que aguarda o resultado da reunião do comité de peritos e que, se não houver consenso, o governo português tomará a iniciativa de proibir o uso do glifosato em meio urbano e progressivamente noutros setores.

O Ministério da Agricultura anunciou na quinta-feira que vai retirar do mercado a taloamina e todos os produtos fitofarmacêuticos que contenham aquela substância por constituírem um risco grave para a saúde humana, animal e para o ambiente.

"Os serviços da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária notificaram as empresas produtoras de fitofármacos sobre a taloamina, um coformulante utilizado nos compostos herbicidas à base de glifosato, tendo em vista a retirada imediata desta substância do mercado", refere, em comunicado, o Ministério da Agricultura.

Lusa

  • BE anuncia iniciativa legislativa para acabar com um herbicida
    0:50

    País

    O líder parlamentar do Bloco de Esquerda enalteceu hoje as conquistas alcançadas dos primeiros seis meses do acordo parlamentar com o PS. No encerramento das jornadas parlamentares do partido, em Évora, Pedro Filipe Soares anunciou ainda que já há acordo entre o Bloco e o PS para uma iniciativa legislativa para acabar com um herbicida.

  • Herbicida provavelmente cancerígeno usado em Portugal
    2:55

    País

    Um estudo independente realizado em Portugal detectou níveis elevados de glifosato em várias pessoas. Trata-se do herbicida mais usado na agricultura portuguesa e considerado pela OMS como provavelmente cancerígeno. O estudo revela que o português menos contaminado tem três vezes mais glifosato do que o pior caso no estudo alemão.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.