sicnot

Perfil

País

PEV pede posição firme do Governo contra uso do herbicida glifosato

A deputada do PEV Heloísa Apolónia pediu hoje ao Governo português que assuma uma posição de firmeza contra o glifosato quando for discutido o uso deste herbicida em Bruxelas no próximo dia 18.

"Se está tão determinado a ir para Bruxelas defender que não sejam aplicadas sanções pelo défice de 2015, peço que com a mesma firmeza vá para Bruxelas dizer não ao glifosato", disse a deputada do PEV, advertindo para o potencial cancerígeno daquela substância, reconhecido pela Organização Mundial de Saúde.

Intervindo durante o debate quinzenal no parlamento, Heloísa Apolónia frisou que no próximo dia 18 de maio será decidido, no comité de peritos, se será ou não renovada a licença para a utilização daquele herbicida.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, disse que aguarda o resultado da reunião do comité de peritos e que, se não houver consenso, o governo português tomará a iniciativa de proibir o uso do glifosato em meio urbano e progressivamente noutros setores.

O Ministério da Agricultura anunciou na quinta-feira que vai retirar do mercado a taloamina e todos os produtos fitofarmacêuticos que contenham aquela substância por constituírem um risco grave para a saúde humana, animal e para o ambiente.

"Os serviços da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária notificaram as empresas produtoras de fitofármacos sobre a taloamina, um coformulante utilizado nos compostos herbicidas à base de glifosato, tendo em vista a retirada imediata desta substância do mercado", refere, em comunicado, o Ministério da Agricultura.

Lusa

  • BE anuncia iniciativa legislativa para acabar com um herbicida
    0:50

    País

    O líder parlamentar do Bloco de Esquerda enalteceu hoje as conquistas alcançadas dos primeiros seis meses do acordo parlamentar com o PS. No encerramento das jornadas parlamentares do partido, em Évora, Pedro Filipe Soares anunciou ainda que já há acordo entre o Bloco e o PS para uma iniciativa legislativa para acabar com um herbicida.

  • Herbicida provavelmente cancerígeno usado em Portugal
    2:55

    País

    Um estudo independente realizado em Portugal detectou níveis elevados de glifosato em várias pessoas. Trata-se do herbicida mais usado na agricultura portuguesa e considerado pela OMS como provavelmente cancerígeno. O estudo revela que o português menos contaminado tem três vezes mais glifosato do que o pior caso no estudo alemão.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.